CarrosSlide

Elétrico: JAC E-J7, o chinês que não tem medo de alemão

Compartilhe!

.+

O sedã JAC E-J7 foi desenvolvido em parceria com a Volkswagen -que controla a marca chinesa- e chega ao Brasil com 192 cv e autonomia pouco acima de 400 km. O carro mira compradores com alguma preocupação com o meio ambiente e não se intimida com marcas de luxo tradicionais. A marca chinesa até promoveu para os jornalistas uma série de arrancadas contra BMW Série 3, Audi A4 e Mercedes-Benz Classe C (todos a gasolina) na pista de Tuiuti, interior de São Paulo, onde o JAC, além de mais barato, se mostrou mais rápido nas acelerações de zero a 150 km/h.

por Ricardo Caruso

É isso mesmo que você leu: o E-J7 acelera mais do que o trio de alemães citado, não que isso seja algo que defina a compra. Trata-se da comprovação apenas de que, na mesma faixa de preço existe uma opção elétrica que, no mínimo, vai matar seu cunhado de inveja. O JAC E-J7 já estava disponível no Brasil para pré-venda desde novembro último. É o décimo modelo elétrico disponibilizado pela JAC Motors no Brasil, deixando no passado os tempos do J3 e do Faustão como garoto-propaganda.

JAC E-J7 chega por R$ 264.900 – ALL THE CARS

O sedã chega em versão única e custa R$ 264.900, e busca compradores entre os consumidores de sedãs alemães e do Honda Accord híbrido, que tem preços acima disso. Incomoda também compradores do Fiat 500 e do Mini elétricos, menores e na mesma faixa de preço. Tem desenho muito atual e agradável (isso mesmo, os elétricos estão ficando atraentes) e mede 4,76 metros de comprimento, 1,82 m de largura, 1,49 m de altura e tem distância entre-eixos de 2,76 m. O desenho da carroceria foi feito no estúdio JAC Design Center, na Itália (sempre com a VW de olho), e traz a traseira com estilo outrora rotulado como “fastback”. Na dianteira, o E-J7 exibe faróis de LED, os faróis auxiliares estão localizados nas extremidades do pára-choque e a “grade” fechada esconde o bocal de recarga.

Nas laterais, o JAC E-J7 exibe linha suas quatro portas, linha de cintura alta e um vinco bem definido. O teto tem queda suave e é pintado de preto. As lanternas traseiras são estreitas e horizontais, ligadas por uma barra; a tampa do porta-malas abre até o teto, incorporando o vidro traseiro. As rodas são de liga-leve, aro 17, com acabamento diamantado, calçadas com pneus 215/55. O porta-malas tem 590 litros de capacidade. Resumindo: todo o visual do E-J7 é bastante equilibrado, atual e marcante.

A mesma sensação de modernidade da parte externa se repete no interior do E-J7. O painel digital de instrumentos é uma tela horizontal de 10,25 polegadas, enquanto a central multimídia ocupa uma tela central vertical de 13 polegadas e permite acesso aos Android Auto e Apple CarPlay. Esta tela também reúne diversas funções de uso do sedã, como os comandos do ar-condicionado, e acessa funções importantes do modelo ou consulta informações sobre o veículo. O interior não chega a ser luxuoso, mas usa materiais de qualidade e revestimentos sintéticos em duas cores.

jac j7 2021

Equipado com um motor elétrico de 192 cv de potência e 34 mkgf de torque praticamente instantâneo, o JAC E-J7 acelera de zero a 100 km/h um pouco abaixo dos seis segundos, o que permitiu na “brincadeira” oferecida pela JAC acelerar na frente dos três alemães. Para preservar a carga das baterias, a velocidade máxima é limitada eletronicamente a 150 km/h. O consumo de energia é um dos destaques do sedã chinês. Segundo a JAC, o carro obtém médias de 12,5 kWh por 100 km. Há o modo de condução “Eco”, que recupera parte da energia durante as frenagens e desacelerações. As baterias são de lítio, com 50,1 kWh de capacidade e o JAC E-J7 oferece autonomia de até 402 km, desde que dirigido com alguns cuidados e critérios.

A recarga completa, considerando o custo médio atual de tarifas de energia elétrica de R$ 0,62 por kWh (dado da Aneel), fará o usuário do modelo desembolsar R$ 7,75 a cada 100 km. No total, rodar com o JAC E-J7 custa pouco mais de R$ 30 a cada recarga completa, ou seja, para “encher o tanque”. De acordo com a marca, a recarga completa demora cerca de 6 horas se feita em um carregador convencional; já recarregar o E-J7 de maneira rápida (carga de 80%) demora apenas 30 minutos.

Vendido com um bom conjunto de equipamentos de série, o JAC E-J7 traz seis airbags, controles eletrônicos de tração e estabilidade, freio de estacionamento elétrico, assistente de partida em rampa, banco do motorista com aquecimento e ajustes elétricos, e abertura/fechamento automática do porta-malas.

O modelo já está disponível nas concessionárias JAC Motors em todo o Brasil por R$ 264.900, em versão única, sem opcionais disponíveis. Trata-se de uma opção interessante para quem busca um carro elétrico nessa categoria. Apesar de ainda estar longe dos sedãs alemães em dirigibilidade e estabilidade, o E-J7 é a maior prova da evolução dos carros chineses e da JAC Motores em especial. Qualquer que tenha sido o nível de influência da Volkswagen no desenvolvimento do E-J7, a verdade é que os elétricos da JAC atingiram um nível de qualidade inimaginável na marca até poucos anos atrás.


Compartilhe!
1716504424