Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Filho único: a história do Tojeiro Climax Coupe 1958

Compartilhe!

Poucos ouviram falar de John Tojeiro, mas ele foi um dos grandes construtores de automóveis de competição, nos anos 1950 e 1960. John nasceu em Portugal, no Estoril, em 1923, e era filho de pai português e mãe inglesa. Mudou para o Reino Unido logo nos anos 1930, após a morte do seu pai.

por Marcos Cesar Silva

Foi engenheiro na Fleet Air Arm durante a Segunda Guerra Mundial e, posteriormente, fundou a sua própria empresa, produzindo chassis para automóveis de competição, com bastante sucesso na Ecurie Ecosse, onde os seus automóveis eram equipados com motores Jaguar, Buick, Bristol ou Coventry-Climax.



Esta última, a Climax, era especialista na produção de motores para automóveis esportivos e de competição, além de pequenas máquinas industriais e empilhadeiras. No final dos anos 1950 entrou na Fórmula 1 como fornecedora de motores, onde várias equipes utilizaram os Coventry-Climax, entre elas a Lotus, a Cooper e a Scuderia Centro Sud. Em 1963, a Coventry-Climax foi adquirida pela Jaguar.



Da cooperação entre a Tojeiro Automotive Developments e a Coventry-Climax, nasceram vários automóveis de competição, assim como este interessante cupê de rua, produzido a pedido de Frank Rambridge em 1956.

A carroceria, toda feita de alumínio, foi produzida pela Wakefield & Sons, montada num chassi de competição da própria Tojeiro, junto com o motor Coventry-Climax; o carro foi finalizado pela Competition Motors, de Weybridge.


Após dois anos de “gestação”, o Tojeiro-Climax Coupe foi finalmente registrado, em 1958, com a placa 1 GPF, apenas com o nome Tojeiro. Foi usado por seu proprietário durante alguns anos, tendo percorrido cerca de 30.000 km.

Durante este período, o carro recebeu um sistema de direção novo, pois a mulher de Frank queixava-se do carro ser demasiadamente pesado. Ficou parado vários anos até que, em maio de 1967, Frank acabou por dá-lo na troca por um Mini Cooper S novo, junto com uma wagon e um barco, ao vendedor Paul Vasey.

Jornal dos Clássicos - A história do único Tojeiro-Climax Coupe produzido

Passado um ano, Vasey vendeu o Tojeiro-Climax a Jonathan Carr Selway, tendo o carro, posteriormente, diversos proprietários em pouco espaço de tempo. Em 1970, durante uma corrida ilegal, o automóvel foi danificado e, quando da reparação, foi pintado de branco.

One for the road: the unique Tojeiro-Climax | Classic & Sports Car

Foi adquirido por Peter Barguss, em 2009, que necessitou de algum trabalho para o colocar em funcionamento novamente. Foi levado para a Beacon Hill Garage, onde foi efetuado um meticuloso serviço de restauração, incluindo o retorno à cor original verde e rodas raiadas pretas.

Até hoje não se sabe quem foi o responsável pelo desenho deste automóvel único, mas muitos pensam que pode ter sido Cavendish Morton, responsável por vários desenhos e projetos de automóveis da Tojeiro.

Tojeiro Climax GT... - Classic and Recreation Sportscars | Facebook

Por baixo da carroceria, está um grande trabalho de engenharia para a época, com suspensão de molas helicoidais na frente e triângulos sobrepostos e eixo De Dion na traseira. Já a direção é com pinhão e cremalheira. A frenagem está a cargo de tambores de grandes dimensões da Alfin nas quatro rodas. Para a diminuição do peso, além da carroceria de alumínio, o carro tem também vidros feitos de acrílico.

One for the road: the unique Tojeiro-Climax | Classic & Sports Car

O motor que equipa este belo automóvel britânico é o Coventry-Climax FWA, de 1.098 cm3 de cilindrada, com um comando de válvulas no cabeçote e dois daqueles famigerados carburadores SU, desenvolvendo cerca de 70 cv de potência. Acoplado ao motor está uma caixa de câmbio manual, de quatro marchas, da BMC.

O interior é de dois lugares, com o estepe e bateria no compartimento traseiro. É ainda complementado com um fantástico volante em madeira, com abertura vertical para ser mais fácil a entrada e saída do carro.

Os mostradores do painel de instrumentos são da Smiths, clássicos, e as alavancas de acionamento das luzes herdadas de um Citroën. Para funcionar, está equipado com um botão de partida. De resto, todo o interior tem um acabamento bastante luxuoso.

Apenas um exemplar, esse das fotos, foi produzido, pois a Tojeiro não tinha interesse na produção de automóveis de rua. John Tojeiro (acima) faleceu em 16 de março de 2005.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español