Classic CarsSlide

Restomod: estagiários da Audi ressuscitam um NSU 1971

Compartilhe!

Os estudantes de mecatrônica da fábrica da Audi de Neckarsulm, Almanha, comemoraram o 150.º aniversário desta unidade da marca com um restomod extremo de um NSU Prinz 4. O termo restomod é a soma das palavras resto-ration (restauração) com mod-ification (modificação). Que fique bem claro que não basta fazer qualquer restauração ou modificação, como simplesmente repintar um carro antigo ou trocar seus componentes mecânicos. A cultura restomod exige na verdade um projeto completo. Ou seja, é preciso fazer uma recuperação e atualização completa do aspecto visual do carro, envolvendo seu desenho, carroceria e interior, e ao mesmo tempo incorporar evoluções tecnológicas em sua mecânica.

NSU Prinz powered by Audi e-tron frente 3/4

E assim aconteceu. Um grupo de 12 estagiários do curso de mecatrônica da fábrica de Neckarsulm da Audi desenvolveram um projeto bastante original, que passou pela eletrificação de um antigo NSU Prinz 4 de 1971. Foi um projeto criado de maneira proposital, para assinalar os 150 anos de existência desta fábrica, que entre os muitos modelos que produziu, inclui justamente o NSU Prinz 4 entre 1961 e 1973.

“Queríamos construir um carro que não fosse apenas rápido e parecesse legal, mas também honrasse o 150º aniversário do local”, disse Dean Scheuffler, um dos estagiários envolvidos no projeto.

A Audi não existia há 150 anos, mas o local foi acomodava originalmente a produção de máquinas de costura NSU e, mais tarde, bicicletas e motocicletas. A NSU passou para a produção de carros a partir de 1905, incluindo o lançamento do primeiro modelo com motor rotativo (Wankel) no corpinho do Spider 1964 (também conhecido como Sport Prinz). Isso foi três anos antes da Mazda lançar seu primeiro carro com motor Wankel, o Cosmo 110S.

Embora a NSU tenha sobrevivido à Segunda Guerra Mundial, foi adquirida pelo Grupo Volkswagen no final da década de 1960 e fundiu-se com a marca Auto Union. A empresa resultante da fusão tornou-se mais tarde a Audi.

NSU Prinz ao lado do EP4
Na esquerda, o NSU Prinz 4 original, e na direita o elétrico EP4.

O NSU Prinz 4 foi rebatizado para este projeto de EP4, com o “E” se referindo a electric drive e o “P4” referência ao nome do modelo original (Prinz 4). No entanto, do modelo original não sobrou muita coisa. O EP4 é uma espécie de quebra-cabeças com componentes de vários Audi. A carroceria original do NSU Prinz 4 foi montada sobre a base modificada de um Audi A1, que também doou os eixos e sistema de frenagem. Por isso este EP4 é bem mais largo que o Prinz 4 original.

Para o motor, havia uma ideia previamente definida. Como afirmamos no início, o projeto passou pela eletrificação deste modelo clássico. O Prinz P4 original usava um motor de dois cilindros e 30 cv, montado na traseira. Mas agora o carrinho ficou muito mais potente, ao receber um motor elétrico de 240 cv, retirado de um Audi e-tron de 2020.

NSU EP4 com a equipa de estagiários que o desenvolveu
O grupo de 12 estagiários e responsáveis pelo projeto EP4.

Para o alimentar o motor elétrico, foi usada a bateria de 17,9 kWh do Audi Q7 TFSI e quattro, a versão híbrida plug-in do SUV da marca. O espaço mais adequado para instalar o componente foi aquele que, no modelo original, era reservado para o tanque de gasolina. Ou seja, debaixo do capô dianteiro.

O visual deste EP4 agrada e impressiona, devido à adaptação do Prinz 4 estreito na base mais larga do A1. Os para-lamas alargados destacam-se, tendo sido desenhados com a ajuda da Audi Design. Com isso, foi possível instalar rodas maiores, tanto em diâmetro como em largura, calçadas com pneus esportivos.

Atrás a asa não passa despercebida, e há uma outra no prolongamento do teto, com um detalhe interessante e que é menos visível. Em vez de estar instalada na carroceria, como habitual, ela foi fixada direto no “santoantônio”.

NSU Prinz powered by Audi e-tron - 3/4 traseira

Por causa disso, os seus suportes têm de passar por dois furos no vidro traseiro. No entanto, como ambos componentes estão pintados num chamativo “Signal Yellow”, este detalhe quase passa despercebido.

Para o sistema de iluminação, foi também adotado um visual inspirado num NSU, mas no modelo 1000 TT, do final dos anos 1960, a versão mais desportiva dos Prinz. Por fim, os estagiários optaram pela pintura nas cores “Audi Suzuka Grey” e “Brilliant Black”. Não falta a inscrição alusiva aos 150 anos de Neckarsulm, presente num grafismo nas laterais, e o logotipo EP4.

“Com compromisso admirável e criatividade considerável, os nossos aprendizes construíram um automóvel sensacional. Têm todos os motivos para estar em orgulhosos do resultado. Projetos como este mostram que a nossa empresa tem um futuro sólido graças aos nossos jovens talentos.”XAVIER ROS, do conselho de administração da marca.


Compartilhe!
1716108240