Classic CarsSlide

Veículos elétricos Chevrolet: uma longa história

Compartilhe!

Os carros elétricos existem há tanto tempo quanto os carros com motores a combustão. Na verdade, alguns dos primeiros carros produzidos no final dos anos 1800 eram totalmente elétricos e, até os anos 1920, eram bastante comuns, pois existiam pelo mundo cerca de 300 marcas de carros movidos a eletricidade. Aí descobriram petróleo no Texas e o resto é história. Na última década, depois de fases de maior ou menor interesse, os veículos elétricos passaram a ocupar espaço no mercado automotivo. Eram o futuro, e hoje são realidade.

por Marcos Cesar Silva

Para algumas montadoras, como a Chevrolet, os veículos elétricos não são exatamente novidade. Na verdade, a marca trabalha em veículos elétricos há décadas e continua esse legado com novos modelos elétricos introduzidos todos os anos. Surgiram novos materiais e novas tecnologias, o que popularizou esse tipo de veículo

Aqui está uma rápida ideia sobre o trabalho da Chevrolet com veículos elétricos e uma rápida olhada em onde eles planejam levar essa tecnologia. A marca já anunciou seu interesse total em carros elétricos, e não nos híbridos. Uma jogada arriscada, pois ainda hoje os elétricos não equacionaram as questões de autonomia, tempo de carga e durabilidade das baterias. Além disso, o Brasil pode ficar fora desse mapa da General Motors, já que não há planos da empresa fabricar modelos elétricos aqui. Também não se fala no sucessor do Spin, e por isso não seria nada assombroso se a Chevrolet (leia-se General Motors) seguisse os mesmos passos da Ford, passando a disponibilizar por aqui apenas modelos importados.

GM EV1

GM EV1 estacionado no deserto. Exterior cinzento

Depois de quase um século de domínio dos carros com motores a explosão no mundo automotivo, nenhuma marca tinha um carro elétrico decente em seu catálogo. O consumidor médio não conseguia adquirir os conceitos elétricos de alta tecnologia que as montadoras estavam desenvolvendo para os Salões, e as montadoras não estavam fornecendo um modelo elétrico produzido em massa que fosse acessível ao público em geral. Isso incluía a GM.

Em 1996, a GM apresentou o seu EV1: um veículo totalmente elétrico projetado para levar o consumidor médio pelas cidades sem usar uma gota de combustível. O EV1 só estava disponível em cidades selecionadas dos Estados Unidos, e com contratos de locação limitados. Eles não estavam disponíveis para o público em geral e só podiam ser atendidos em algumas concessionárias Saturn.

No entanto, com um alto custo de construção e pouco interesse generalizado para impulsionar novas vendas (o EV1 era apenas de aluguel), a GM decidiu descontinuar a linha, chegando ao ponto de reaver e destruir a maioria dos EV1 que estavam nas ruas, apesar do protesto dos consumidores. Atualmente, apenas um EV1 intacto sobrevive no museu Smithsonian em Washington, com alguns outros modelos desativados espalhados pelo mundo, não funcionais.

Este veículo inovador apenas abriu caminho para o futuro dos veículos elétricos na GM e na Chevrolet, incluindo um modelo de caminhão diretamente baseado no EV1.

Chevrolet S-10 EV

Chevrolet S-10 EV branco estacionado com o capô para cima

Com a nova geração de veículos elétricos agora no jogo, várias montadoras decidiram entrar na corrida pelos carros elétricos, incluindo claro a Chevrolet. Com a apresentação da sua S-10 EV em 1997, comercializada apenas para clientes da frota de utilitários, a Chevrolet quebrou o paradigma do que uma picape deveria ser. Com uma unidade totalmente elétrica, a S-10 EV poderia rodar até 85 km com uma única carga elétrica e poderia atingir velocidades de até 100 km/h, apenas 14 km/h a menos do que o GM EV1.

A Chevrolet, no entanto, realmente colocou essa picape para venda, não apenas locação, e conseguiu vender cerca de 60 unidades das S-10 EV para clientes da frota, o que significa que várias dessas ainda sobrevivem nas ruas americanas hoje. Infelizmente, a Chevrolet decidiu descartar o S-10 EV por muitas das mesmas razões que a GM descartou o EV1, e muitos dos modelos não vendidos foram igualmente esmagados e sucateados. Das 492 unidades fabricadas, apenas 60 foram vendidas. As outras foram escrapeadas em 1998, e a vida util das que foram vendidas terminou entre 2007 e 2008.

O S-10 EV foi o último veículo elétrico disponível comercialmente da Chevrolet por quase duas décadas. Isso não significa, no entanto, que a empresa ainda não estava trabalhando duro nessa tecnologia elétrica.

Chevrolet Mi-Ray

Após mais uma “morte” do carro elétrico em meados dos anos 1990, os consumidores não foram convencidos do conceito totalmente elétrico. Com o aumento dos preços da gasolina, no entanto, mais e mais motoristas estavam olhando para a tecnologia híbrida para combinar o desempenho confiável de um motor a combustível com a eficiência livre de emissões do elétrico. Por um tempo, muitas empresas fizeram modelos que usavam trens de força híbridos para equilibrar desempenho e eficiência. A Chevrolet experimentou SUVs híbridos, incluindo o Tahoe e a Silverado em 2013, mas estes tiveram sucesso limitado nas vendas. Foi só quando a Chevrolet assumiu uma nova estratégia que as coisas pareciam se encaixar.

O Chevrolet Mi-Ray, um veículo conceito revelado pela primeira vez no Salão de Seul de 2011, abriu um precedente para como a Chevrolet construiria os modelos híbridos de sucesso . O Mi-Ray, com dois motores elétricos de 15 kW montados na frente, alimentados por uma bateria de lítio de 1,6 kWh carregada por meio de frenagem regenerativa, poderia mover suas rodas dianteiras usando apenas energia elétrica. Isso significava que os motoristas poderiam levar o Mi-Ray pelas vias usando apenas tração dianteira e não usar gasolina, metanol ou diesel. Uma revolução na eficiência selecionável pelo motorista que tornou o Mi-Ray essencialmente um carro elétrico ou híbrido sob demanda.

Chevrolet Malibu e Volt

Chevrolet Malibu branco saindo de uma garagem

A Chevrolet pegou essa mesma ideia e a aplicou em futuros modelos híbridos, com sucesso. O Chevrolet Malibu 2016 usava um powertrain híbrido que podia animar o Malibu até os 70 km/h antes do motor a combustível entrar em ação. Isso apresenta o mesmo sistema de deixar o motor elétrico funcionar sozinho pelo tempo que puder antes de ativar o motor a explosão para maximizar a eficiência. Para situações de condução curta e rápida, não precisa utilizar combustível.

E enquanto o híbrido Malibu foi projetado para maximizar a eficiência do motor a combustão, seu “irmão” Chevrolet Volt 2016 foi construído para maximizar a autonomia elétrica. Capaz de viajar até 65 km/h com energia elétrica, o Volt foi projetado para minimizar ao máximo o uso de combustível e depender principalmente da eletricidade.

E por mais impressionantes que sejam esses modelos híbridos, a Chevrolet não se incomodou em abandonar completamente essa tecnologia e dispensar o uso do combustível.

Chevy Spark EV e Chevy Bolt

Em seu primeiro movimento em direção aos modelos totalmente elétricos produzidos em massa desde a S-10 de meados dos anos 1990, a Chevrolet apresentou o Spark EV –a versão totalmente elétrica do compacto Spark– para o ano-modelo 2015. Este veículo elétrico esportivo podia atingir uma incrível autonomia (na época- de 132 km com uma única carga. E com a aceleração aparentemente instantânea natural entre os motores elétricos, o motorista podia usufruir do bom torque do Spark EV. Além disso, não só o Spark podia carregar a bateria completa em apenas sete horas, mas cada Spark EV vinha com a opção de carregamento rápido DC, que pode carregar a bateria a 80% em apenas 20 minutos em uma estação de carregamento rápido. saiu de linha em 2016.

Parafuso Chevy

O ponto crucial para popularizar os Chevrolet elétricos foi o Bolt, a versão produzida em massa de um conceito totalmente elétrico revelado pela primeira vez em 2015. Este hatch impressionou e era capaz de dirigir até 320 km com uma única carga e recarregar a bateria em nove horas. E embora sem paralelo em eficiência, este elétrico também se preocupava em ser um hatchback luxuoso, com espaço para cinco ocupantes, bom porta-malas e uma tela touchscreen de 10,2 polegadas no multimídia. Para os amantes de veículos elétricos, o Chevrolet Bolt EV foi o ponto de ruptura dentro da marca.

E o futuro elétrico da Chevrolet ?

A Chevrolet colocou todas suas fichas nos carros elétricos. Como dissemos antes, é um risco grande. Hoje, a marca tem em seu portfólio Bolt EV e Bolt EUV; Equinox EV 3LT e Blazer EV SS 2024 chegando, e Silverado EV disponível. Bolt e Silverado são vendidos no Brasil mas a preços altíssimos. Se a aposta em deixar de fora os híbridos foi correta, só o tempo vai dizer. Mas como vimos, a marca tem bagagem para saber o que é certo e o que é errado.

 


Compartilhe!
1716082367