SlideVídeos

Vídeo: Jay Leno e Chip Foose reviram o Plymouth Prowler

Compartilhe!

O desenhista e projetista Chip Foose recentemente passou pela “Garagem de Jay Leno” para se debruçar sobre um dos projetos mais controversos em que já esteve envolvido: o Plymouth Prowler.

O Prowler chocou o mundo automotivo quando entrou em produção como modelo de 1997. Embora a Plymouth tenha sinalizado o modelo de dois lugares com um carro-conceito em 1993, mesmo assim foi surpreendente ver seu ousado estilo inspirado nos hot rods em um carro realmente sendo vendido em concessionárias, em especial nas lojas da então decadente Plymouth. Seu estilo era algo definitivamente inserido no conceito de “ame ou odeie”, mas o Prowler foi um sucesso durou até 2002, encerrando sua encarnação como um Chrysler após a morte de Plymouth.

Embora ele não tenha projetado o produto definitivo ou tido influência na decisão de colocar o modelo em produção, Foose ajudou a estabelecer as bases para o desenho do Prowler. Na época, ainda estudante do “Art Center College of Design” da Califórnia, Foose apresentou a ideia de um modelo retrô ao então chefe de desenho da Chrysler, Tom Gale, em resposta a uma solicitação para criar um novo veículo de nicho.

No vídeo, Foose diz que seu raciocínio era que muitos entusiastas de hot rod e muscle cars queriam combinar a aparência clássica de carros mais antigos com novas tecnologias, o que permitiria que eles fossem usados ​​no dia a dia dias. Uma de suas propostas, baseada em um hot rod Plymouth da década de 1930, chamou a atenção de Gale, que pressionou a direção da empresa para que o Prowler se tornasse um carro de produção.

O carro de produção manteve muitos dos elementos mais atrevidos da proposta de Foose, incluindo para-lamas tipo “bicicleta” cobrindo rodas dianteiras de 20 polegadas, que eram gigantescas na época. Mas foi um pouco decepcionante a adoção de uma mecânica mais conservadora, incluindo motor 3.5V6 e transmissão automática, mesmo conjunto compartilhado com outros modelos da Chrysler. O enorme motor V10 do Dodge Viper, também vendido na época, provavelmente não caberia, “mas há espaço para um V8 sob o capô”, observou Foose.

Embora criticado, o motor 3.5V6 High Output 3.5 da Chrysler tinha potência semelhante (ou e, alguns casos superior) aos Magnum V8 da empresa daquela época. Embora não produzisse tanto torque quanto um V8, o peso leve do Prowler ajudou a alcançar bons números de aceleração.

O “hot rod de fábrica” apresentava com destaque a sua construção em alumínio, em muitos casos com componentes colados com adesivo específico, principalmente no chassi. A carroceria foi produzida em Shadyside, Ohio , e o carro foi montado de forma manual na Conner Avenue Assembly Plant (CAAP) em Detroit, Michigan. O último Prowler foi montado em 15 de fevereiro de 2002 e, no total, foram produzidos 11.702 exemplares.

A experiência de dirigir não oferece o mesmo nível de emoção que o estilo, mas o V6 oferecia razoáveis ​​253 cv, e Leno ficou impressionado com a falta de vibração do capô. É difícil dizer se o Prowler é divertido para um carro esportivo, mas o interior apertada e o porta-malas minúsculo são definitivamente impraticáveis ​​hoje para um carro esportivo.

Lado do Plymouth Prowler 1999 com trailer

Falta de espaço no porta-malas se resolvia com esse acessório, uma charmosa carretinha original de fábrica.

Esses fatores, combinados com o preço relativamente alto na época (cerca de US$ 44 mil em 2002), limitaram o apelo do Prowler, mas a falta de um motor V8 foi provavelmente o maior obstáculo, acredita Foose. No entanto, as atitudes podem ter mudado com o tempo. O estigma contra os motores V6 diminuiu um pouco, e o Prowler é agora considerado um sólido investimento em carros de colecionador.


Compartilhe!
1718543712