Blog dos Caruso

10 supercarros esquecidos e até desprezados

Compartilhe!

Mesmo que apenas uma pequena porcentagem de entusiastas de automóveis possa pagar por um supercarro, as pessoas ainda adoram falar sobre esses modelos fantásticos. A maioria dos motoristas sonha com o que comprariam caso ganhassem na Megasena. Para a maioria dos fãs de carros, a visão de um supercarro estacionado em qualquer lugar é sempre um momento memorável. Mesmo na atual era digital, ainda existem posters de carros de aparência diferenciada nas paredes dos quartos de adolescentes de todo o mundo. Como alguém disse, “o sonho não acabou”.

por Ricardo Caruso

Supercarros é o tema favorito de um aficionado por automóveis, apesar do fato de que muitos nunca poderão ter a chance de dirigir um, ou mesmo sequer se sentar no banco do passageiro. Hoje, quase todos os modelos atuais desta classe são bem conhecidos. Mesmo antes de chegarem às lojas, a maioria dos membros desse fã-clube conhece todas as especificações, recursos do projeto, detalhes do desenho, velocidade máxima e preço. Além disso, hoje, os fabricantes de automóveis usam a internet para criar uma certa comoção em torno de suas ofertas mais recentes.

Eles agora têm mídias sociais para comercializar seus produtos. No entanto, nem todos os supercarros são igualmente famosos e bem conhecidos. Às vezes, os holofotes que iluminam o antes glamoroso mundo automotivo deixam passar um modelo e selam seu destino, deixando-o na obscuridade.

Então, se você está se perguntando que tipo de supercarros o mercado esqueceu, aqui está uma lista de 10 modelos que apenas um punhado de entusiastas radicais se lembram. Todos os carros da lista têm uma história interessante por trás. Alguns eram muito caros, enquanto outros eram muito complicados ou muito difíceis de dirigir, mas todos eles têm uma coisa em comum: nunca se tornaram supercarros celebrados pelo mercado.

10. Cizeta-Moroder V16T

Quando o apresentaram pela primeira vez em 1988, o Cizeta-Moroder V16T tinha potencial para se tornar a próxima grande obra do mundo dos supercarros. Para produzir este supercarro, um grupo de ex-engenheiros da Lamborghini liderados por Claudio Zampoli fez parceria com o famoso compositor musical e fã de supercarros, Giorgio Moroder. Eles chamaram o famoso Marcello Gandini, o homem que projetou o lendário Lamborghini Miura. O carro tinha tudo, incluindo um endosso de celebridades e um fundo de investimentos italiano. Além disso, tinha construtores famosos, um nome exótico e tecnologia de ponta. Mas a principal característica deste modelo era um monstruoso motor V16, que eles fizeram juntando-se a duas unidades V8. E então eles os montaram transversalmente atrás da cabine. Todos os supercarros têm motores instalados longitudinalmente.

No entanto, para o Cizeta-Moroder V16T, eles escolheram um caminho diferente. Isso resultou em uma bitola traseira larga e uma montagem complicada de seu câmbio manual de cinco velocidades. O motor V16 era 6.0 e entregava 560 cv, o que era um número fantástico para o final da década de 1980. O desempenho foi igualmente impressionante com o zero a 100 km/h em apenas quatro segundos e uma velocidade máxima acima de 320 km/h. Ainda hoje, esses números chamam a atenção na multidão de supercarros. O preço base foi próximo de US$ 300.000, mas eles pararam a produção após apenas unidades produzidas, e é por isso que eles são uma visão rara hoje. Como acontece com muitos pequenos fabricantes de supercarros, a Cizeta-Moroder foi atingida por dificuldades financeiras e problemas com fornecedores. Depois, Claudio Zampoli e Giorgio Moroder se separaram. Curiosamente, até cinco anos atrás ainda estavam, com preços entre US$ 650.000 e 850.000, dependendo das opções. Atualmente, não há relatos de nenhum à venda.

9. Dauer 962 Le Mans

O Dauer 962 Le Mans é possivelmente o supercarro mais definitivo que já construíram. É tão rápido, que poderia deixar a maioria supercarros passando vergonha, mesmo tendo mais de 20 anos. E a principal razão é que eles derivaram o 962 Le Mans direto do Porsche 962 vencedor de Le Mans. A empresa alemã, Dauer, construiu este supercarro entre 1993 e 1997. É basicamente um carro de corrida com algum espaço no porta-malas e suportes para colocar as placas. Naquela época, a Porsche não estava diretamente envolvida com as corridas de Le Mans. No entanto, eles apoiaram pequenas equipes e empresas usando seus carros. Como a Dauer era uma dessas equipes de corrida, eles receberam ajuda da fábrica. No entanto, as regras exigiam que eles tivessem que produzir uma versão de rua. Então a Dauer ofereceu isso na forma de 926 LMs ao público.

Eles usaram o mesmo motor, chassi e carroceria para seu carro, com duas diferenças interessantes. Eles tinham pneus mais estreitos e motor mais potente. Curiosamente, esse carro era mais rápido do que alguns modelos de corrida, já que os carros de pista tinham que ter restritores de ar, mas os de rua não. O Dauer 962 tinha 750 cv a partir de seu motor flat seis cilindros, 3.0 litros turbo. Os números de desempenho também foram loucos. O tempo de zero a 100 km/h foi de 2,8 segundos e a velocidade máxima foi de 403 km/h. Mas o problema com esse modelo era que era demais em todos os sentidos para a maioria dos proprietários. Os únicos pilotos que podiam desfrutar de todo o potencial deste carro foram os campeões aposentados com sua própria pista de corrida no quintal de casa. Como a maioria dos proprietários de supercarros compra seus carros para olhar, a produção foi baixa, de apenas 12 carros.

8. Axiam Mega Track

Um dos supercarros esquecido mais interessante que já foi às ruas foi o Mega Track francês. A empresa Axiam o construiu em meados da década de 1990. O Mega Track foi o primeiro e único supercarro off-road de todos os tempos. Você pode se perguntar como é possível criar um supercarro capaz de sair do asfalto e chafurdar na lama. A empresa Axiam conseguiu produzir um veículo com suspensão ajustável que poderia se transformar de um carro esportivo normal para um SUV em questão de segundos.

O sistema complicado permitiu que ele expandisse de 20,3 cm a 33 cm de altura do piso. Então, em apenas alguns segundos, o Mega Track pode se tornar um verdadeiro monstro off-road. Melhor ainda, atrás do piloto estava um enorme motor 6.0V12 Mercedes-Benz, de 400 cv; a tração era nas quatro rodas. O conceito teve suas desvantagens, no entanto. O Mega Track pesava mais de duas toneladas e era mais longo que uma Mercedes Classe S. A Axiam ficou famosa por produzir microcarros e vários componentes da indústria automotiva. No entanto, eles não tinham tempo ou interesse para promover o Mega Track. Então, infelizmente, eles cessaram a produção depois de fazer apenas cinco ou seis carros.

7. Isdera Imperator 108i

Isdera é um pequeno e ultra-exclusivo fabricante de supercarros com sede na Alemanha. Eberhard Schultz, um ex-engenheiro da Mercedes, fundou a marca em 1969. Ao longo dos anos, Isdera produziu apenas alguns modelos, todos os quais incluíram muitas peças, motores e componentes da Mercedes. A empresa tinha reputação de usar a abordagem de produção exclusiva. A maioria das pessoas considera seus produtos como supercarros perdidos e esquecidos. No entanto, o Imperator 108i é o mais atraente, por isso ganhou um lugar nesta lista. Foi lançado em 1984 e permaneceu em produção até 1993, com 30 carros produzidos. Eles usaram construção de estrutura espacial, carroceria de plástico e portas “asa-de-gaivota”. Foi atemporal.

Atrás do motorista estava um motor 5.0V8 produzido pela Mercedes. Ao longo dos anos, a Isdera instalou motores Mercedes maiores com 5,6 e 6,0 litros de deslocamento. O desempenho foi sempre respeitável com aceleração de zero a 100 km/h em 5 segundos, e velocidade máxima de mais de 270 km/h. O desenho foi na forma característica da cunha com uma característica interessante: usava um retrovisor periscópico. Foi e ainda é uma solução única no mundo dos carros. Apesar do visual interessante, exclusividade e desempenho, o Isdera não conseguiu combater os modelos mais populares. Então não demorou muito para o Imperator 108i cair na obscuridade.

6. Vector W8

O único supercarro americano nesta lista é o lendário Vector W8, um monstro com carroceria em forma de cunha e motor v8 que eles apresentaram em 1990. Foi um projeto ambicioso da Vector Aeromotive Corporation. Eles queriam produzir o supercarro mais avançado do mundo usando tecnologia e materiais aeronáuticos na produção de carros. O W8 tinha chassi de estrutura espacial com uma carroceria de Kevlar reforçado com um tipo especial de plástico.

Sob a tampa do motor havia um motor típico americano na forma de um Chevrolet small block V8. Usava dois turbocompressores para produzir 625 cv, o que foi um número impressionante. A empresa alegou que, em carga plena, o motor biturbo de 6.0 litros era capaz de oferecer 1200 cv ao motorista/piloto. No entanto, eles sugeriram que os motoristas não usassem o boost total por longos períodos de tempo, uma vez que afetaria a durabilidade do próprio motor. O Vector W2 custava US$ 450.000, o que foi uma enorme soma para aqueles dias. Apesar de ser destaque em inúmeros filmes, programas de TV e games, ele não conseguiu alcançar o sucesso de vendas esperado. Quando a produção terminou em 1993, a Vector Aeromotive Company tinha conseguido produzir apenas 22 exemplos deste fantástico supercarro americano.

5. Monteverdi Hai 450 SS

Pergunte a quem conhece supercarros clássicos dos anos 1960 e início dos anos 1970 se já ouviu falar do Monteverdi Hai 450 SS, e você pode se surpreender. Na verdade, a maioria das pessoas nunca ouviu falar disso. A empresa Monteverdi era uma fabricante suíça de cupês e limusines de alto luxo. Eles se tornaram populares por suas criações elegantes com estilo italiano, qualidade alemã e motores americanos. Todos os seus modelos apresentavam motores Chrysler, que entregavam a potência bruta que faltava à maioria dos fabricantes europeus do período. Depois de uma linha de belos cupês GT, Peter Monteverdi, o dono da empresa, queria entrar no mercado de supercarros. Ele decidiu produzir um modelo com motor Chrysler montado na traseira, carroceria de baixo perfil e alto desempenho.

Eles introduziram um novo modelo que batizaram de Hai 450 SS, em 1970. Ele apresentava um novo chassi e carroceria, bem como o famoso motor Hemi 426V8 na parte traseira. Monteverdi queria o motor mais potente que a Mopar tinha para oferecer e, em 1970, esse era o poderoso Hemi. O carro se chamava “Hai”, uma palavra alemã para “tubarão”. Apesar de entregar 450 cv e excelente desempenho, o Hai 450 SS apareceu assim que a indústria automotiva entrou em recessão. Com isso, os compradores desapareceram. A marca conseguiu vender apenas um carro a preço muito alto, e mais tarde produziram mais dois. A preocupação da Monteverdi com os clientes contribuiu para a decisão de cessar a produção. Ele achou que o carro era muito rápido e agressivo, tornando o Hai 450 SS perigoso. Hoje, este é um dos supercarros perdidos e um dos carros mais raros construídos na Suíça.

4. Noble M600

A expansão dos supercarros nos anos 2000 trouxe ao mundo muitas máquinas interessantes e potentes. A maioria dos modelos dos últimos anos são bem interessantes, então por isso muitos entusiastas de carros sabem bem deles. No entanto, alguns modelos voaram “sob o radar”, apesar de serem bonitos e rápidos. E um desses carros é o Noble M600. Na verdade, a Noble ficou famosa por produzir carros extremos usando componentes de outros fabricantes. Sendo uma empresa de carros britânica, as pessoas as consideravam uma fábrica de kit cars. No entanto, isso não era verdade, mas afetou sua reputação no mercado de supercarros. No entanto, eles quebraram essa reputação oferecendo o modelo M600. Mostrou do que Noble era capaz, com motor 4.4 V8 da Volvo equipado com dois turbocompressores, para atingir 550 ou 650 cv.

E eles instalaram esses motores em uma carroceria leve e elegante. A ideia por trás do M600 era produzir um supercarro puro, sem quaisquer auxílios eletrônicos desnecessários, para entregar a experiência de direção mais pura possível. Isso tornou o M600 assustador para dirigir, mas também uma experiência imensamente divertida e inesquecível. Usando todos os 650 cv, o M600 podia ir de zero a 100 km/h em apenas 3,0 segundos e ultrapassar 350 km/h. Infelizmente, independentemente de sua bela aparência e desempenho, os compradores de supercarros tradicionais evitaram este modelo. O M600 ainda está em produção, então se você quer ser um orgulhoso dono de um dos supercarros mais puros e rápidos de hoje, esteja pronto para pagar mais de US$ 250.000.

3. Alfa Romeo TZ3 Stradale

Você pode perguntar por que esta lista apresenta uma Alfa Romeo já que a Alfa é uma fábrica bem conhecida que não produz supercarros. No entanto, eles criaram um modelo tão estranho, desconhecido obscuro e raro, que é adequado para estar nesta lista. Eles introduziram o Alfa Romeo TZ 3 Stradale em 2011, em apenas nove veículos fabricados. No entanto, o nome TZ está presente na história da Alfa desde a década de 1960, quando produziram vários carros esportivos e de corrida. E eles incluíram o TZ 1 e TZ 2. O “T” é para Tubolare e o “Z” é para Zagato, a casa de desenhistas. Para se conectar com seu glorioso passado de corrida, a Alfa Romeo apresentou um modelo de produção limitado chamado TZ 3 em 2011 com carroceria Zagato. O público ficou surpreso quando surgiu o novo modelo, porque a Alfa não tinha o chassi ou o motor para tal maravilha.

Quando revelaram as especificações, o segredo veio à tona. O Alfa Romeo TZ 3 foi na verdade um Dodge Viper ACR-X de geração anterior, em uma versão preparada para pista. A Alfa “vestiu” o Viper com uma carroceria da Zagato, mas deixou intactos os componentes mecânicos e o enorme motor de 8,2V10. Até o interior era o mesmo do Viper, exceto pelo uso dos emblemas Alfa Romeo em vez dos Dodge. O TZ 3 teve um desempenho de supercarro com 600 cv, 3,4 segundos de aceleração de zero a 100 km/h e velocidade máxima de 320 km/h. Apesar do elegante “terno italiano”, motor V10, dinâmica perfeita de condução e nome lendário, a Alfa só conseguiu vender nove unidades. Hoje, apenas poucos anos depois de lançado, quase ninguém se lembra do Alfa Romeo TZ 3.

2. Venturi 400 GT

Não é surpresa se você não sabe nada sobre Venturi. Eles eram uma pequena empresa francesa de carros que estava ativa na década de 1990. Usando componentes de outras montadoras e produzindo seus próprios chassis e carrocerias, a Venturi apresentou vários carros bonitos e rápidos. Deixou sua marca na história de supercarros obscuros com seu magnífico modelo 400 GT de meados da década de 1990. Visualmente semelhante à Ferrari F40, o Venturi 400 GT também tinha motor biturbo. Mas no caso da Venturi, era um Peugeot 3.0V6, que eles anabolizaram para produzir 400 cv em versão de rua. Na versão de corrida, era capaz de atingir mais de 600 cv. Com todo esse poder de fogo, o 400 GT poderia acelerar de zero a 100 km/h em 4,6 segundos e ultrapassar 290 km/h. E isso era mais rápido que os Porsche e Ferrari da época.

O Venturi participou de muitas corridas, incluindo Le Mans. Ele até tinha sua própria série de competição, onde amadores ricos podiam competir com seus Venturi em corridas de arrancada. Infelizmente, a realidade financeira alcançou as grandes ambições de Venturi. Eles fecharam a empresa, primeiro em 1997, e depois novamente em 2000. A Venturi conseguiu produzir menos de 100 exemplares do fantástico 400 GT, que se perdeu no tempo.

1. Lister Storm

A empresa Lister era famosa por ser uma equipe de corrida. Eles preparavam carros para muitos fabricantes tradicionais, como Jaguar, Maserati e Chevrolet. Mas em meados da década de 1990, Lister decidiu fazer seu próprio supercarro, usando um motor Jaguar V12 altamente preparado. A ideia por trás do supercarro era introduzir um cupê GT brutalmente rápido e de quatro lugares. Seria capaz de quebrar recordes de velocidade e transportar passageiros com conforto. Lister chamou o novo modelo de Storm e apresentava um motor 7.0V12 com 550 cv, derivado de um motor usado em Le Mans. Lister fez sua própria carroceria, que era larga para acomodar os pneus generosos em medidas. Tinha muitas tomadas de ar e defletores para melhor resfriamento e aerodinâmica.

Ao mesmo tempo, Lister ofereceu o Storm como um carro de passageiros, por quase US$ 450.000, bem como uma versão de corrida para pista privadas. No entanto, apesar de ter potência brutal, 4 segundos no zero a 100 km/h e mais de 340 km/h de final, apenas quatro clientes encomendaram o carro. A razão foi que algumas pessoas pensaram que o carro era muito agressivo nas respostas, ou mesmo feio. Além disso, apesar de ser um de quatro lugares, ele não tinha muito espaço em seu interior. Uma versão de pista foi trazida por Alcides Diniz e, depois de sua morte, foi vendida para a Europa.


Compartilhe!
1717084603