Tecnologia

Carro elétrico: quanto tempo dura a bateria?

Compartilhe!

Quer você goste, quer não goste, uma coisa é certas: os carros elétricos são o futuro. Por enquanto são caros, mas em breve quando você for trocar de carro, seja por puro prazer ou necessidade, será possível considerar essa opção. Nesse ponto, com certeza você tem muitas dúvidas em relação ao componente mais importante do carro elétrico: a bateria.

por Ricardo Caruso

E ninguém pode culpá-lo por isso, pois como acabamos de afirmar, a bateria é o elemento mais importante em um carro elétrico. Além de ser o coração do carro, é um dos elementos mais caros para reparar e substituir. Tenha em mente que praticamente todos os recursos e funcionalidades de um carro elétrico dependem sempre da bateria.

Basta dar uma simples olhada na evolução do segmento de carros elétricos para perceber que as baterias sofreram um avanço significativo nos últimos anos. O investimento dos fabricantes de automóveis nesta área tem sido gigantesco. É a bateria que vai determinar o sucesso e viabilidade de um carro elétrico Graças a isso, hoje em dia podemos encontrar tempos de recarga cada vez mais curtos e autonomias maiores.

Mas, como tudo, as baterias têm data de validade. E é exatamente esta a questão que vamos tratar hoje. Além disso, vamos esclarecer o que acontece com a bateria depois de alguns anos e -o que certamente interessa ainda mais- qual é o preço para trocar ou quem sabe reparar a bateria de um carro elétrico quando for necessário.

Antes de irmos mais fundo nesse tema, é importante ter noções básicas sobre como funciona a bateria do carro elétrico. Na teoria, é como se fosse o bateria convencional de seu carro, mas muito maior. Mas as semelhanças ficam por aí. Carros 100% elétricos empregam baterias de íons de lítio. A razão é simples: este tipo de bateria recarregável oferece maior densidade de energia do que as baterias de chumbo-ácido ou níquel-cádmio. Em outras palavras, eles exigem menos espaço para o mesmo volume de energia.

Por essa razão, elas são mais ou menos as mesmas que encontramos em smartphones, laptops ou tablets, mas obviamente bem maiores. A grande diferença é que a bateria de um carro elétrico não é uma única bateria, mas um conjunto de baterias. O “pacote” consiste em vários módulos dentro dos quais encontramos dezenas de células individuais.

Com isso, em caso de danos, não é necessário substituir toda a bateria. Como resultado, o custo de reparo ou substituição é consideravelmente reduzido, pois é limitado apenas à célula ou células danificadas. Como você já sabe, a bateria se conecta ao motor elétrico para fornecer energia ao veículo, e elas são recarregadas, principalmente, conectando-as à rede elétrica.

Quando uma bateria é descarregada com o uso e recarregada na rede elétrica, ocorrem o chamado “ciclo de carga e descarga”. A repetição deste ciclo de carga e descarga degrada a bateria ao longo do tempo. Em outras palavras, reduz a quantidade de energia que a bateria pode reter e aumenta o tempo necessário para recarregar a bateria.

Os ciclos de carregamento são o que mais afetam a expectativa de vida útil da bateria de um carro elétrico, embora também existam outros fatores que podem afetar sua duração. A parte notícia é que, antes de se deteriorarem, as baterias de carros elétricos são capazes de suportar muitos ciclos de carga. Especificamente, os técnicos da “Consumer Reports”, por exemplo, estimam que as baterias suportam 3.000 ciclos de carga.

Isso traduzido em quilômetros é algo entre 160.000 e 200.000 quilômetros, ou entre sete e oito anos de uso. Em qualquer caso, considera-se que, após esse tempo, a bateria diminuirá sua capacidade para 75%. Ou seja, não será de todo inútil e, em teoria, ainda tem um bom tempo de vida útil pela frente, apesar de reduzir seu desempenho.

Este período é geralmente coberto pela garantia do fabricante. Nossa recomendação é que você analise a garantia com uma lupa para evitar surpresas, as tais “letras pequenas” do contrato. Por outro lado, a “Consumer Reports” aponta que a vida útil completa das baterias ultrapassa os 320 mil quilômetros. Rodando 25 mil quilômetros por ano, estaríamos falando de 13 anos.

A bateria de um carro elétrico é um dos elementos mais caros presente nele. Mas a boa notícia é que ela raramente precisará ser totalmente substituída. Além disso, se tiver que fazer isso, o habitual é que o custo da garantia seja coberto. Isso geralmente ocorre em torno de oito anos na grande maioria dos fabricantes de automóveis.

Estamos falando em termos de Primeiro Mundo, onde os carros elétricos já são realidade há tempos. Claro que no Brasil, tudo muda.

Recentemente circularam na internet dois vídeos sobre o assunto. Em um deles, um eletricista cortou o chicote para fazer uma instalação qualquer, e danificou a bateria de um Renault Kwid elétrico. O resultado foi R$ 140 mil de prejuízo para o proprietário, pois é claro que a garantia não cobriu o estrago. Em outro caso, um Fiat 500 elétrico rodou apenas 200 km, e num descuido o proprietário bateu o fundo do carro numa lombada, danificando a bateria. O prejuízo ficou na casa dos R$ 200 mil. Lembrando que essas baterias são importadas, com preço alinhado ao dólar ou euro, mais impostos e frete. São peças pesadas e difíceis de manter em estoque. E o Brasil não fabrica esse componente…

No Primeiro Mundo, vários fabricantes já destacam que o custo das baterias pode ultrapassar os US$ 5 mil, algo em torno de R$ 25 mil.  Isso é algo que chama atenção, pois um dos principais argumentos de venda dos carros elétricos são seus baixos custos de manutenção (não existe motor de partida, alternador, filtros, velas, lubrificantes etc). Por isso, nosso melhor conselho é que você cuide muito bem da bateria.

Lembra de quando sua mãe dizia que “se você cuidar bem das suas coisas, elas vão durar muito tempo”? Pois ela estava certa, e você vai agradece-la pelo conselho. Se você quer mesmo que a bateria do seu carro elétrico não lhe dê problemas ao longo de sua vida útil -ou mesmo quer tentar estender sua durabilidade- recomendamos que você siga algumas dicas simples de manutenção. Basicamente, como você faz com outros componentes do seu veículo:

  • Respeite os ciclos de carregamento: não apresse a bateria do seu carro elétrico. Por um lado, você corre o risco de ser deixado a pé. Por outro lado, é prejudicial aos ciclos de carregamento. Tal como acontece com o smartphone ou tablet, é aconselhável manter sempre a bateria entre 20 e 80% da sua capacidade.
  • Não abuse do carregamento rápido: muitos fabricantes de automóveis apontam em seus manuais e sites os riscos do carregamento rápido. A recarga usual com corrente contínua e alta tensão gera calor na bateria. Isso pode afetar negativamente o desempenho e a durabilidade da bateria. 
  • Evite temperaturas extremas: mudanças bruscas de temperatura e temperaturas extremas afetam o desempenho e a durabilidade das baterias. Não é por acaso que as baterias de carros elétricos têm sistema de arrefecimento líquido. O frio e o calor extremos degradam as baterias mais cedo.
  • Não se esqueça de trocar o líquido de arrefecimento da bateria: é a única manutenção exigida pela bateria de um carro elétrico. É aconselhável fazer a primeira troca de líquido de arrefecimento aos 160.000 km (100 mim milhas). Posteriormente, a cada 120.000 km. Verifique o manual do proprietário do seu veículo elétrico ou informe-se na concessionária ou mesmo junto ao fabricante.

Compartilhe!
1721704772