Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

DEPUTADO BEBEU, CORREU, MATOU E ESTÁ SOLTO

Compartilhe!

No detalhe, o deputado-assassino. Ainda solto...
No detalhe, o deputado-assassino. Ainda solto…

Mais uma história vergonhosa para a justiça brasileira. Designado para dia 26 de março passado, com início às 9h30, pelo Juiz de Direito da 2a. Vara do Júri de Curitiba, Dr. Daniel Ribeiro Surdi de Avelar, o julgamento do ex-deputado estadual do Paraná, Luiz Fernando Ribas Carli, foi outra vez adiado. Amanhã, 7 de maio, o caso completa quatro anos de impunidade. Vamos rememorar?

Era madrugada do dia 7 de maio de 2009. Gilmar Rafael Yared, 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, 20 anos, voltavam de um shopping em Curitiba, PR, a bordo de um Honda Fit branco. Em outro veiculo seguia Fernando Ribas Carli Filho, 26, na época deputado estadual pelo Paraná, que havia saído de um restaurante e estava totalmente embriagado. Carli Filho estava num Passat Variant preto e dirigia não só bêbado, como estava com a carteira de habilitação suspensa. Somava 24 multas por excesso de velocidade, cinco delas na rua do crime, que tem velocidade máxima permitida de 60 km por hora.

O Honda Fit dos dois jovens freou e entrou devagar na rua quando o Passat preto do deputado que, devido à velocidade estimada em 190 km/h e ao desnível da rua, decolou. Voando, colidiu com carro e capotou; ao passar sobre o Honda, decapitou Carlos e Gilmar.

Para um melhor entendimento do crime, a família de Yared contratou uma perícia particular. Neste vídeo é explicado o que aconteceu naquela noite: http://www.youtube.com/watch?v=wEeJGraP2Ns

A família iniciou a campanha “190 Km/h é crime! Justiça já!” e, a mãe de Yared criou o site http://www.190kmhecrime.com, com a finalidade de ser uma ferramenta útil na luta contra a violência e a impunidade no trânsito brasileiro.

Em 2011, foi decidido que Carli Filho iria a júri popular. Neste mesmo ano, a defesa do ex-deputado, que renunciou ao mandato ainda no hospital, tentou culpar os dois jovens mortos na tentativa de evitar o júri.

Assim é a justiça no Brasil. Mas se ele não tivesse pago a pensão para uma vagabunda qualquer com quem foi casado ou teve uma aventura, aí com certeza estaria preso há tempos…


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español