Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

QUE PENA: FALTOU OUSADIA AO NOVO COROLLA

Compartilhe!

Malagrine    

A Toyota lançou o Novo Corolla, o nome de veículo mais vendido na história da indústria automobilística mundial. São mais de 40 milhões de unidades comercializadas nos cinco continentes, desde 1966, ano do lançamento de sua primeira geração.

O Novo Corolla é uma clara evolução do modelo anterior, mas não há grandes ganhos na parte mecânica ou mesmo no estilo. Ficou mais atual, mas nada que surpreenda; continua sendo um carro de tiozão. O que piorou muito foi o reço, como veremos adiante.

Malagrine

O Corolla sempre foi um carro “nota 8”, ou seja, na média agrada em tudo. É bem construído, elegante, tem mecânica confiável, bom desempenho, bom nível de equipamentos, bom espaço interno e itens de segurança acima do encontrado nos veículos da mesma categoria.

ANTI-CIVIC

A missão do carro é retomar a liderança do segmento, hoje nas mãos do rival Civic, pelo menos até o novo Honda ser lançado, ainda este ano. A marca tenta atrair um público mais jovem, mas não consegue com o Corolla, e talvez não consiga com o Novo Corolla.

No Brasil, o Corolla chegou no comecinho dos anos 1990, quando foram reabertas as importações. Depois, em 1998, passou a ser fabricado em Indaiatuba (SP); o Corolla liderou o seu segmento em sete dos últimos 10 anos.

Malagrine

Agora são três as versões do Novo Corolla: GLi 1.8 com transmissão manual de seis velocidades; GLi 1.8 com transmissão automática Multi-Drive (CVT que simula sete velocidades no modo Drive e no modo sequencial, por meio de trocas na alavanca de transmissão), e XEi e Altis, ambas 2.0 e equipados com a transmissão automática Multi-Drive, que acrescenta “borboletas” atrás do volante.

ESTÁVEL

O Corolla ficou com a carroceria mais rígida, em comparação com a geração anterior, devido à utilização de aços de alta resistência à tensão e aos diversos reforços estruturais implementados. Também houve melhora na relação final da direção, que ficou 8% mais direta.

A calibragem da suspensão (McPherson na dianteira e com barra de torção no eixo traseiro) foi totalmente realizada pela engenharia da Toyota Brasil, resultando em bom equilíbrio. Continua confortável e com estabilidade irrepreensível.

Malagrine

O espaço interno também aumentou. O carro tem 2,7 metros de entre-eixos, 10 cm a mais que o anterior. Também foram adotados bancos dianteiros com encostos mais finos. O desenho do Corolla levou as caixas de rodas para as extremidades da carroceria, proporcionando mais comodidade aos ocupantes. São 7,5 centímetros adicionais entre a base do banco traseiro e o encosto do banco dianteiro. O espaço para os joelhos dos passageiros da traseira totaliza 70,6 cm, aumento de 8,5 cm. Já o espaço para os pés, beneficiado pelo assoalho traseiro de desenho totalmente plano, cresceu 9,2 cm. Também houve melhora no ajuste de altura do banco, deslocando-se verticalmente de 4,5 cm para 6 cm. Já o ajuste de profundidade foi ampliado de 24 cm para 26 cm.

Com relação às dimensões gerais, são 4,62 m de comprimento (mais 8 cm); 1,775 m de largura (mais 1,5 cm); 1,475 m de altura (menos 0,5 cm).

DESENHO

O desenho do Corolla agora é baseado em dois conceitos: Keen Look e Under Priority. O Keen Look reflete a nova identidade visual dos Toyota, expressão inspirada no olhar focado de um atleta de alto rendimento. O Under Priority, por sua vez, tem como característica o posicionamento mais baixo da grade dianteira, garantindo melhor eficiência aerodinâmica e maior proteção aos pedestres, em caso de acidentes.

Malagrine

Na dianteira está o amplo conjunto de faróis. O desenho do capô é elevado e possui vincos acentuados no centro e nas laterais; a grade frontal é formada por três filetes que invadem a lente de policarbonato dos faróis. Este efeito se torna ainda mais visível na versão top de linha Altis, equipada com luzes auxiliares por LEDs. Na traseira, o Corolla também segue a tendência mundial da Toyota.

O visual é até elegante, mas no geral o carro merecia ser mais ousado. Destaque ainda para o desenho dos retrovisores (que integram as luzes de direção),  puxadores das portas e rodas de 16 polegadas, diferentes nas versões XEi e GLi, em relação à linha Altis.

POR DENTRO

O interior do Corolla foi projetado para continuar sendo confortável, sofisticado e funcional, abusando de linhas claras. Em todas as versões, o painel dianteiro é bem horizontal, ampliando a sensação de espaço.

Malagrine

Desde a versão de entrada GLi, o acabamento interno é bem cuidado. Esta versão tem interior predominante em tons escuros e painel com acabamento do tipo Total Black. Os materiais dos revestimentos das portas e o tecido dos bancos são de qualidade e transmitem sofisticação.

Malagrine

A versão XEi tem bancos, volante, painéis de portas e manopla do câmbio de couro, na cor cinza. Usa detalhe em prata, que se estende pelo painel central e está presente no volante. Diferente da versão de entrada GLi, com acabamento em Total Black, na XEi os mesmos detalhes são em imitação de fibra de carbono. O top de linha Altis tem couro na cor bege e detalhes em que parecem madeira escura no painel, portas e na manopla de câmbio. As duas versões, XEi e Altis, também tem detalhes cromados nos puxadores das portas e nos difusores do ar-condicionado.

Malagrine

Dois tipos de instrumentos estão disponíveis no Novo Corolla. Na versão GLi, é usado um grande círculo central (velocímetro) e dois círculos menores (na esquerda o conta-giros e na direita o indicador de combustível e temperatura). Um display de cristal líquido, localizado abaixo do velocímetro traz as informações do computador de bordo. Os comandos do ar-condicionado são manuais e há sistema de som, com conexão Bluetooth e entradas auxiliares tipo USB, para iPod e similares.

Malagrine

Nas versões XEi e Altis, o painel de instrumentos tem dois grandes círculos: no lado esquerdo fica o conta-giros e o termômetro do motor, e na direita o velocímetro e indicador de combustível. Ao centro, uma tela display ao estilo TFT (semelhante aos Lexus), onde são exibidas diversas informações sobre a condução, em projeção tridimensional, entre elas a marcha que está sendo simulada pela transmissão Multi-Drive. No centro do painel dos XEi e Altis há uma tela multimídia de 6.1 polegadas, que reúne as demais informações do carro, incluindo os dados do computador de bordo. Nessas configurações, o controle do ar-condicionado é digital. Os instrumentos são iluminados em clear blue, comum a todas as versões.

VERSÕES

A Toyota subiu os preços, mas recheou o Corolla com uma longa lista de itens de conforto e conveniência. A versão de entrada GLi vem equipada com direção eletro-assistida, ar-condicionado com controle manual, chave do tipo canivete com comandos do alarme integrados, vários porta-objetos, computador de bordo com seis funções (consumo médio e instantâneo, indicador Eco Drive, autonomia, velocidade média, tempo de percorrido, controle de iluminação do painel e temperatura externa), coluna de direção com regulagem de altura e profundidade, hodômetro e relógio digital (lembra o do Del Rey dos anos 1980), sistema de som com USB para iPod e dispositivo Bluetooth, farol de neblina, vidros e retrovisores com acionamento elétrico e volante multifuncional, entre outros.

Malagrine

O “pacote” do XEi traz ar-condicionado automático digital,  computador de bordo que exibe a velocidade instantânea em formato digital e acionamento dos vidros elétricos one touch nas quatro portas. Além disso, adiciona itens como bancos traseiros bipartidos (60/40), com apoio de braço central e porta-copos, cruise control e retrovisor interno eletrocrômico, entre outros. Também está disponível, a partir do XEi, um novo sistema multimídia com tela de 6.1 polegadas, com as funções do áudio, GPS, câmera de ré, conexões USB para iPod e similares e Bluetooth. O aparelho reproduz DVD e capta sinal de TV digital.

Malagrine

A versão top de linha Altis é mais completa, acrescentando por exemplo luzes auxiliares por LEDs, sistema smart entry (abertura da porta por aproximação), sistema de partida sem chave com Start Button, ajuste elétrico para o banco do motorista, retrovisores externos retráteis e acendimento automático dos faróis.

Malagrine

O carro é bem cuidado na parte de segurança. Traz, de série, cinco airbags nas versões GLi e XEi (dois frontais, dois laterais nos bancos dianteiros e um de joelho para o motorista), sistema ISOFIX para cadeiras infantis no banco traseiro, travamento automático das quatro portas a 20 km/h, cintos de segurança com pré-tensionador e limitador de força e freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem. O Altis acrescenta mais dois airbags, tipo “cortina”, totalizando sete bolsas de proteção.

MOTORES

Quem esperava novos motores, vai se decepcionar. Houve apenas mudanças na calibragem dos 1.8 e 2.0, ambos feitos com bloco e cabeçote de alumínio. O Corolla 1.8 é Flexfuel, Dual VVT-i DOHC de 16 válvulas, que rende 139 cv a 6.000 rpm, quando abastecido com gasolina; e 144 cv, também a 6.000 rpm, com etanol. O torque máximo nesta configuração é de 17,7 kgf (com gasolina) e 18,4 mkgf (com etanol), sempre a 4.200 rpm. O mais forte é o 2.0 Flexfuel, Dual VVT-i DOHC de 16 válvulas, que rende 143 cv de potência a 5.600 rpm, quando abastecido com gasolina, e 154 cv de potência a 5.800 rpm, com etanol. O torque máximo é de 19,4 mkgf a 4.000 rpm (com gasolina) e 20,3 mkgf a 4.800 rpm (com etanol). Os dois são equipados com o sistema de partida a frio, para utilização do etanol em baixas temperaturas, que dispensa o tanque de combustível auxiliar.

Malagrine

Em termos mecânicos, as novidades do Corolla são os dois tipos de transmissões, uma manual de seis velocidades, na versão de entrada GLi, e a Multi-Drive, presente nas demais. A transmissão Multi-Drive é CVT. Seu diferencial é um software de gerenciamento, que simula sete marchas, mesmo quando o motorista conduz o veículo com o câmbio na posição Drive. O resultado é uma sensação agradável ao dirigir, com a percepção das trocas de marchas.

Malagrine

A transmissão Multi-Drive oferece em todas as versões a possibilidade de trocas manuais sequenciais, que podem ser na alavanca de câmbio, no caso do GLi. Já para as versões XEi e Altis, as trocas sequenciais podem ser feitas também por meio das “borboletas” localizadas atrás dos volantes. Estas duas versões do sedã contam também com a tecla “Sport Mode” que altera o mapeamento do software de gerenciamento da transmissão e proporcionam comportamento mais esportivo.

DESEMPENHO

O conjunto formado pela aerodinâmica, motor e transmissão, mais a adoção de pneus com baixa resistência à rodagem, deixou o Novo Corolla um pouco melhor que o anterior. Em linhas gerais, o 2.0 está 15% mais rápido na aceleração de zero a 100 km/h e 27% mais rápido nas retomadas entre 80 km/h e 100 km/h.

Malagrine

Nos modelos com transmissão Multi-Drive, o Corolla acelera de zero a 100 km/h em 9,6 segundos, com etanol. A marca não divulga a velocidade máxima. Os dados de consumo cidade/estrada, etanol/gasolina, são: 2.0 Multi-Drive – 10,6/12,6 km/litro e 7,2/ 8,7 km/litro; 1.8 Multi-Drive – 11,4/13,2 km/litro e 7,8/ 9,2 km/litro; 1.8 manual – 10,7/13,2 km/litro e 7,4/9,1 km/litro.

O Novo Corolla está disponível em sete cores. As conhecidas Super Branco, Prata, Cinza, Preto e Azul, e as novas Vermelho e Branco Pérola.

 

PREÇOS

 1.8 GLi Manual – R$ 66.570

 1.8 GLi Multi-Drive – R$ 69.990

 2.0 XEi Multi-Drive S – R$ 79.990

 2.0 Altis Multi Drive S – R$ 92.900


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español