Classic Cars

Quem lembra do De Tomaso Guará?

Compartilhe!

O nome guará remete ao lobo brasileiro, eternamente ameaçado de extinção. Mas no mundo do automóvel, a história é diferente. Decentemente potente, leve e repleto de tecnologia derivada do automobilismo, o Guará era um carro esportivo muito bem construído, feito entre 1004 e 2004, e que teve apenas 52 unidades entregues. Isso mesmo, apesar das incontáveis virtudes, não conseguiu fazer sucesso em um segmento de mercado muito disputado, principalmente porque não ostentava emblemas da Ferrari ou Lamborghini.

por Ricardo Caruso

 

Depois de tentar carreira como piloto de Fórmula 1 -mas que acabou falhando- o argentino Alejandro de Tomaso decidiu construir carros rápidos na Itália, e fundou a De Tomaso Modena SpA (mais tarde De Tomaso Automobili) em 1959.

O primeiro modelo de estrada da empresa foi o pequeno Vallelunga, seguido pelo maior Mangusta Ford V8 mas, inquestionavelmente, seu maior sucesso foi o Pantera. Embora compartilhasse muitos pontos em comum com seu antecessor, como um motor V8 de montagem central traseira construído nos Estados Unidos (o motor, pois o carro era produzido em Modena, na Itália), era um modelo melhor em quase todos os sentidos.

O estilo italiano e a dirigibilidade combinados com o potente e confiável motor americano o tornaram uma escolha popular para os entusiastas de carros esportivos em todo o mundo. A Ford havia adquirido a participação majoritária da empresa de Alejandro em 1971, logo após a apresentação do Pantera, de modo que isso significava que os clientes americanos poderiam comprar um nas concessionárias da Ford.

Isso ajudou a aumentar sua popularidade, mas quando a crise do petróleo de 1973 chegou, a Ford vendeu sua participação de 84% na marca de volta para Alejandro, e com isso os clientes americanos ou potenciais compradores ficaram de repente sem apoio da rede de concessionárias para obter peças ou comprar novos Pantera.

O sucesso do Pantera ajudou a empresa a crescer a ponto de poder se apossar de outras marcas italianas, como Motto Guzzi (1973), Innocenti e Maserati (ambas adquiridas em 1976).

A Barchetta, que nasceu para as pistas.

Em 1992, ficou claro que o bem-sucedido carro esportivo de motor central precisava de um sucessor. Mas um trabalho no Pantera exigiria algo verdadeiramente especial, então De Tomaso voltou-se para o mundo do automobilismo.

Pesando apenas 775 kg, assentado em um sistema de suspensão push-rod derivado da Fórmula 1 e empregando um motor Maserati V6 biturbo de 320 cv, montado central, o Barchetta era uma arma letal de pista. Tinha uma ótima relação peso/potência, o que o tornava ser pilotado em pistas mais técnicas.

Para promover tanto as competições como a marca Maserati, De Tomaso teve a ideia de construir e produzir alguns modelos na versão Stradale (rua), chegando ao ponto de desenvolver um protótipo totalmente funcional. No entanto, em 1993, a Maserati foi adquirida pela gigante Fiat, e o Stradale, juntamente com todo o projeto Barchetta, foi cancelado.

Apesar disso, o protótipo Stradale permaneceu na posse de De Tomaso, e serviu de base para o sucessor do Pantera.

Em vez do Maserati V6 que “alimentava” o protótipo Stradale, o Guará recebeu o recém-lançado motor M60B40 da BMW. Uma unidade aspirada, toda em alumínio, o motor de 4,0 litros de duplo comando de válvulas no cabeçote (DOHC) que era usado no E31 Série 8 (840Ci) foi apenas ligeiramente modificado na Itália, de modo que sua potência não melhorou, ficando em torno de 280 cv. No entanto, foi montado no meio do carro e, combinado com o peso do meio-fio de 1.200 kg do Guará, entregou potência suficiente para criar uma experiência de pilotagem emocionante.

Além disso, o carro foi construído em torno de uma versão ligeiramente modificada do chassi tubular traseiro de alumínio do Barchetta Stradale, que manteve o sistema de frenagem Brembo, que era semelhante ao da Ferrari F40, bem como a suspensão pushrod projetada pelo engenheiro de Fórmula 1 Enrique Scalabroni.

Mesmo que não tivesse a potência de “monstros” como o Lamborghini Diablo, Ferrari 512 TR ou o Porsche 959, a tecnologia derivada do automobilismo que o carro recebeu o tornou extremamente ágil e, como aqueles que conseguiram dirigi-lo puderam comentar, entregou uma experiência de condução inesquecível, semelhante ao que se sentiria em um dos supercarros acima mencionados.

Por fora, o carro parecia um Corvette esmagado que foi consertado por alguém em seu próprio quintal. Bem, talvez estejamos sendo muito críticos do trabalho do desenhista Carlo Gaino, mas você pode concordar que até era interessante, mas não estava nem perto dos Lamborghini, Ferrari ou Porsche da época em termos de visual.

Isso, combinado com o alto preço e o fato de não apresentar emblemas os emblemas que importavam na época, fez com que os entusiastas ricos relutassem em comprar um, de modo que os números de vendas não estavam nem perto do que De Tomaso conseguiu com o Pantera. Enquanto a empresa conseguiu vender 5.262 unidades do Pantera de 1971 a 1974 apenas nos Estados Unidos, pouco mais de de 50 Guará deixaram a fábrica de Modena em uma década de produção.

Outra tentativa de tornar o carro mais desejável foi um novo motor. Impulsionada pela decisão da BMW de eliminar gradualmente o M60 de oito cilindros e pela necessidade de mais potência, a De Tomaso finalmente reviveu sua parceria com a Ford e começou a equipar o Guará com os V4 sobrealimentados de 6,8 litros, provenientes da fabricante americana.

Enquanto isso aumentou a potência para respeitáveis 316 cv, o robusto motor de bloco de ferro fundido também adicionou 200 kg de peso, de modo que o carro não se tornou mais rápido. Além disso, o motor era maior que o BMW V8 e não permitia espaço suficiente para a capota de lona conversível, levando à descontinuação da versão Spyder.

O cupê e o Barchetta foram fabricados até 2004, quando a produção finalmente cessou. Incluindo os protótipos, 54 unidades foram construídas, muito menos do que a montadora havia previsto inicialmente.

O último modelo construído por De Tomaso, sob a propriedade de Alejandro, o Guará foi um desastre financeiro. Logo após a morte do fundador em 2003, a empresa entrou em liquidação e passou por vários proprietários até ser comprada pela Consolidated Ideal Team Ventures, com sede em Hong Kong, em 2014. Felizmente, a marca foi revivida e, em 2019, mostrou o P72, que está programado para começar a produção neste ano der 2023.

Apesar de seu fracasso comercial, o Guará foi um carro que tem seu lugar na história em termos de experiência de condução, graças ao seu conjunto mecânico com muitos itens derivados da Fórmula 1. Pode não ter sido o carro esportivo mais bonito de sua época, mas hoje você rapidamente esquece sua aparência ao vê-lo numa pista, exibindo agilidade quase impecável. Ele continua sendo um carro-raiz e um dos carros esportivos mais subestimados da década de 1990. Mas tem lá seu charme…


Compartilhe!
1713209415