UberAIR, o táxi voador, chega em três anos; Embraer participa do projeto

Compartilhe!

 
 

Enquanto no Brasil ainda se discute criminalizar transporte via aplicativos e proteção aos taxistas e seus carros em geral fedorentos, a Uber aproveitou o palco principal do Web Summit, em Lisboa, Portugal, para apresentar o serviço UberAIR, que estará disponível já em 2020.

Foram escolhidas para a estreia duas grandes cidades norte-americanas: Dallas (Texas), e Los Angeles (California). Este serviço utilizará uma rede de aeronaves elétricas que permitirão resolver um dos maiores problemas das áreas urbanas, a questão dos congestionamentos e mobilidade.

Por meio de uma aeronave eléctrica, será possível transportar até quatro passageiros, sendo estas aeronaves, numa fase inicial, conduzidas por um piloto que estará posicionado num espaço separado dos demais ocupantes, embora espere-se que futuramente as aeronaves se tornem totalmente autônomas. Estas aeronaves terão a capacidade de decolagem e desembarque vertical (VTOLs), diferindo dos atuais helicópteros por serem mais silenciosos, seguros, acessíveis e respeitadores do meio ambiente.

Segundo Jeff Holden, chefão da Uber, estas aeronaves serão elétricas e garantem autonomia que permitirá percorrer até 100 quilômetros. Em termos de custos, o serviço UberAIR deverá ter o mesmo preço que o serviço UberX. O projeto da aeronave será realizado junto com vários parceiros fornecedores de aeronaves, inclsive a Embraer.

Para a garantir total segurança do serviço, a Uber aliou-se à NASA para a assinatura de um acordo de colaboração para o desenvolvimento de novos conceitos de Gestão de Tráfego Não Tripulado (UTM) e Sistemas Aéreos Não Tripulados (UAS). Esta colaboração permitirá a operação segura e eficiente de UAS a baixas altitudes, sendo esta a primeira colaboração da Uber com uma agência governamental com o objetivo de operar uma rede aérea de compartilhamento em nível global.

Comparativo de distância e tempo entre o Uber normal e UberAIR num deslocamento em Los Angeles.

 

Para Jeff Holden, “este acordo espacial abre o caminho para que a Uber colabore com a NASA no desenvolvimento da próxima geração de tecnologia de gestão de espaço aéreo. O UberAIR operará muitos mais voos numa base diária nas cidades do que alguma vez já foi feito. Fazê-lo de forma segura e eficiente exigirá mudança profunda nas tecnologias de gestão de espaço aéreo. A combinação da capacidade de engenharia e desenvolvimento de software da Uber com as décadas de experiência na NASA neste campo proporcionará avanço crucial para o Uber Elevate.”


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *