SlideTecnologia

Elétricos: China já trabalha nas baterias com 450 km em 5 minutos

Compartilhe!

A China tornou-se o principal fabricante mundial de baterias para veículos elétricos, com a CATL (Contemporary Amperex Technology Co., Limited) já dominando cerca de 40% do mercado global. A empresa, assim como a concorrente BYD, estão trabalhando na próxima geração de baterias, com um objetivo: carregar um quilômetro em apenas um segundo e a preços acessíveis. Quando isso for alcançado, deixará de uma vez por todas a preocupação com a autonomia dos carros elétricos”.

por Marcos Cesar Silva

Os fabricantes de carregadores -em especial no Primeiro Mundo- têm apostado em carregadores acima de 100 kW, já na zona do “carregamento rápido”. No entanto, estes dispositivos são inúteis se as baterias não estiverem adequadas: maior capacidade e menor peso é algo fundamental para reduzir os tempos de carregamento e aumentar a autonomia. Essa equação está em vias de ser resolvida pela China, que começou a testar protótipos que prometem uma verdadeira revolução no setor.

Recentemente, a CATL apresentou a bateria 4C, que promete carregar 400 km em 10 minutos. O “C” indica o tempo necessário para uma carga ou descarga completa. Uma bateria 1C demora uma hora, já a 4C faz isso em quatro vezes menos tempo, ou seja, 15 minutos. A CATL promete baterias de ferrofosfato de lítio (LFP) 4C, muito mais baratas de produzir do que as de níquel, cobalto e manganês (NCM), comumente usadas em carros elétricos de longo alcance.

As demais fabricantes (Tesla, Ford e outros) já anunciaram que pretendem seguir esse caminho, o que equivale a dizer que é uma questão de tempo para adotarem as versões 4C da CATL. No entanto, a empresa chinesa não para de trabalhar e há poucos dias afirmou que conseguiu já baterias 5C aplicadas no modelo Li Mega, o próximo veículo da fabricante chinesa Li Auto, com sede em Pequim. Será a primeira vez que um veículo elétrico poderá carregar 500 quilômetros em apenas 12 minutos. O princípio é claro: em vez de te venderem um carro com 700 ou 900 km de autonomia, vão vender um bem mais barato, com 450 km, mas recarregável em míseros cinco minutos.

Neste momento, a grande maioria dos veículos elétricos é alimentada por baterias de 3,5C, mas é muito provável que, em poucos anos, se dê o salto para 5C ou 6C. O problema é que fabricá-los em larga escala não é tão fácil, mas quando isso for alcançado, o atual conceito de autonomia não será mais um problema. Afinal, é o mesmo tempo, ou até menos, que se gasta num posto de combustível atual.

A grande vantagem destas baterias será também que, por terem elevada densidade de carga (igual ou superior a 500 Wh/kg), poderão ser fabricadas em dimensões mais reduzidas para equipar carros menores e mais baratos. Assim, o sonho de veículos com autonomia decente, carregamento completo em poucos minutos e preço acessível, algo na faixa de R$ 80 mil a R$ 100 mil vai finalmente ser realidade.

E não é só a busca pela maior capacidade e menor tamanho da bateria que destaca a China neste mercado: há também o desenvolvimento e comercialização de baterias de estado sólido, que já abordamos aqui, com densidade energética mais alta, menos peso e, principalmente, menor degradação. Estas são as baterias que vão realmente revolucionar o setor. “As baterias de lítio atingiram o seu pico, e em cerca de 10 anos tudo será baterias de estado sólido”, afirmou Simon Erhard, engenheiro-chefe da BMW.


Compartilhe!
1713836053