Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

12 erros que podem prejudicar muito seu carro

Compartilhe!

Não esperar o motor aquecer, não observar as datas de manutenção e troca de óleo ou dirigir com a mão apoiada sobre a manopla do câmbio. Estes -e muitos outros- são alguns dos erros que a grande maioria dos motoristas fazem -sem perceber na maioria das vezes- e que prejudicam a “saúde” do automóvel.

Road Sign - Oops!

Confira os 12 erros mais comuns que todos nós cometemos diariamente e que aceleram o desgaste do automóvel:

1. Acelerar para aquecer o motor – Algo que era muito comum há uns anos, na época da dupla carburador-afogador, mas que acontece cada vez menos: acelerar por longos períodos antes de sair para aquecer o motor. O motor não está na temperatura ideal de funcionamento e os componentes internos operam fora das folgas especificadas.

2. Não esperar o motor aquecer – Na sequência da situação anterior. Este é outro dos hábitos que provocam o desgaste prematuro do motor. Forçar o motor antes que atinja a sua temperatura normal de funcionamento tem implicações graves na lubrificação dos componentes. A analogia com os humanos cabe aqui: a vida do motor do carro funciona como a nossa. Quando fazemos exercício é necessário fazer um bom aquecimento antes para evitar lesões e termos assim o melhor desempenho. Esperar que o motor aqueça antes de iniciar a viagem reduz o atrito e aumenta a vida útil dos componentes móveis.

3. Não observar os períodos de manutenção e troca de óleo – Fazer a manutenção básica é essencial para que a vida útil do carro não fique abaixo das suas expectativas. Por conta da informática, os limites aplicados nos carros hoje são menores do que antigamente, quando não se sabia exatamente a durabilidade dos componentes e tudo era feito com grandes folgas para evitar problemas prematuros. A correta lubrificação permite que o motor trabalhe de maneira correta. Cheque o nível do óleo toda semana (e do liquido do radiador também). A cada troca de óleo, o ideal é trocar também o filtro e checar o óleo do cambio e diferencial, se houver.

4. Andar com o veículo na reserva – O hábito de rodar com pouco combustível no tanque faz com que os resíduos que se acumulam no fundo sejam levados para a linha de combustível, podendo entupir o filtro de combustível e obstruir os injetores.

5. Não deixar o turbo arrefecer – Essa é para quem tem carro equipado com turbocompressor. Na parte mecânica do automóvel, o turbo é um dos componentes que atinge maior temperatura. Contrariamente àquilo que é normal, devemos aguardar algum tempo -30 segundos- em marcha-lenta antes de desligar o motor. Um minuto ou dois bastam caso a condução tenha sido, digamos, mais entusiasmada, para que a lubrificação arrefeça o turbo de forma progressiva. Esta prática aumenta consideravelmente a sua longevidade.

6. Apoiar o pé em cima do pedal de embreagem – Uma das avarias mais comuns provocadas por má utilização acontece no sistema de embreagem. Logo que se troca a marcha, deve-se retirar completamente o pé do pedal. Caso contrário haverá contato entre a transmissão e o movimento do motor. Resultado? A embreagem se desgasta muito mais rapidamente.

7. Não evitar impacto nas guias, lombadas e valetas – Quando se sobe numa calçada ou se passa com velocidade excessiva sobre uma lombada ou valeta, não são só os pneus e suspensões que sofrem. Toda a estrutura do carro sofre com o impacto e há componentes que se podem desgastar prematuramente. Pode acontecer até a quebra do para-brisa por conta disso. Os braços de suspensão, coxins e demais componentes são elementos caros e que se desgastam com facilidade. Aliás, o impacto desalinha a direção, causa maior desgaste nos pneus e aumenta o atrito, originando maior consumo de combustível.

8. Abusar dos freios – Dirigir de forma tranquila e progressiva poupa o carro; já acelerar e frear bruscamente causa maior desgaste dos componentes do sistema de freios (discos, tambores, pastilhas e lonas). As constantes reacelerações aumentam o consumo.

9. Não checar a calibragem dos pneus com regularidade – Circular com pressões muito baixas ou altas aumenta o desgaste irregular do pneu, aumenta o consumo e coloca em risco a segurança (maiores distâncias de frenagem e menor aderência). Pneu bom custa caro hoje em dia.

10. Conduzir com a mão apoiada na manopla do câmbio – É um hábito dos famigerados “pilotos do dia a dia” dirigir com a mão apoiada na alavanca do câmbio. Isso causa pressão nos tirantes ou cabos do trambulador (que são as peças que ligam a alavanca à caixa de câmbio). Não parece, mas o câmbio se move ligeiramente quando o carro está em movimento, e por isso a pressão na alavanca acaba forçando os componentes do trambulador.

11. Câmbio automático tem manutenção – Ainda existe certo preconceito contra a durabilidade dos câmbios automáticos. Na verdade deve sofrer preconceito quem não faz a manutenção preventiva correta. Uma vez por mês cheque o nível do fluído (se for um carro mais usado, faça isso a cada 15 dias), completando se necessário. Em geral o nível do fluido é medido quente e com o câmbio engatado em Drive (por isso vai precisar de alguém ajudando).

Uma vez por ano, promova a troca do fluido do câmbio e respectivo filtro. Não fique mudando a posição da alavanca enquanto dirige e pronto: o câmbio automático de seu carro irá durar tanto quanto ele.

12. E os filtros? – Os carros tem diversos filtros: ar, óleo, combustível, transmissão automática. Com o tempo vão ficando obstruídos, perdendo o poder de filtragem, o que diminui a vida útil do circuito onde atua e, por consequência, do conjunto como um todo. Cai o desempenho, aumenta o consumo e compromete componentes caros, como motor e câmbio. Observe o que indica o manual do Proprietário de seu carro quanto aos períodos de troca.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español