Classic CarsSlide

20 carros de alto desempenho e péssimas vendas

Compartilhe!

São vários os fatores que determinam se um carro será sucesso de vendas ou não. Na maioria dos casos, os fabricantes se esforçam muito em pesquisas e estudos e depois em ações de marketing para promover seus veículos e venderem o máximo possível, uma vez que é isso que manterá as marcas bem posicionadas nesse jogo. No entanto, mesmo que o carro possa ser bom, luxuosos ou rápido, sua posição no mercado não é garantida e esses carros ainda podem se tornar retumbantes fracassos de vendas.

AUTO&TÉCNICA revisita 20 carros americanos de excelente desempenho realmente interessantes, mas que não obtiveram o sucesso que mereciam. Alguns são muito rápidos, a maioria traz desenhos incríveis e alguns até exibiram características interessantes que estão voltando nos carros de hoje. Mas, por um motivo ou outro, eles ficaram para trás, rotulados e foram como fracassos de vendas.

O SV-1 foi uma ideia do empresário do ramo automotivo Malcolm Bricklin. A empresa Bricklin o produziu de 1974 a 1975, com menos de 3.000 carros. Por um curto período, eles comercializaram o SV-1 como o “carro esportivo americano mais avançado”. No entanto, assim que os primeiros carros começaram a deixar a linha de montagem, ficou claro que o SV-1 não era o que as pessoas esperavam que fosse.

Carro esportivo - Bricklin SV-1

A ideia era produzir um modelo esportivo seguro e rápido, com o nome SV-1 significando “Safety Vehicle One”. Bricklin projetou o carro com grandes para-choques e inúmeros recursos adicionais, como radares. Ele também vinha com portas tipo “Gullwing” (“asa-de-gaivota”) elétricas e “santoantonio” integrado, tornando-o pesado e pouco ágil. Também vinha sem isqueiros.

A potência vinha do motor 360V8 AMC, que não era exatamente potente. Mais tarde, a empresa recorreu ao Ford 351V8, mas ainda não conseguiu entregar nenhum desempenho espantoso real. O público elogiou o SV-1 por seu cuidado com a segurança, mas choveram críticas pelo seu baixo desempenho. Seu peso elevado, preço alto e baixa qualidade de construção mataram o carro.

Após o desastre do Chevrolet Corvair nos anos 1960, a General Motors relutou em entrar no mercado de modelos compactos novamente. Mas como o segmento cresceu, a sua divisão Chevrolet não teve escolha e apresentou o novo Vega linha 1971. O Vega era um modelo compacto de estilo moderno com três tipos de carrocerias: cupê de duas portas, sedã de duas portas e uma prática wagon de duas portas.

A dianteira lembrava muito o estilo do Camaro 1971, com grade, faróis e para-choque semelhantes. Em 1975, a Chevrolet chegou a apresentar um modelo Vega Cosworth muito interessante, embora não tão bem-sucedido. Ele contava com um motor 2.0 de quatro cilindros, duplo comando de válvulas e 110 cv. Embora não fosse exatamente rápido, o Vega Cosworth era atraente com pintura preta e dourada e rodas exclusivas. Mesmo assim, ficou na história como um dos muitos fracassos de vendas de seu tempo.

Na década de 1980, todos esperavam outro GTO da Pontiac. No entanto, a GM lançou um pequeno esportivo, que era semelhante a algo que os italianos construiriam, como o Fiat X1/9, por exemplo. Foi uma tentativa ousada para a Pontiac introduzir um carro compacto de tração traseira com o motor posicionado no centro e caixa de câmbio manual de cinco velocidades.

Pontiac Fiero - Pontiac

Para os padrões da época, este era o modelo de produção americano mais avançado. Os compradores ficaram entusiasmados com a aparência do Fiero, graças ao seu desenho moderno e sugestivo, mais a tecnologia avançada. A resposta inicial foi maior do que a GM esperava. Em 1983, os números de vendas passaram de 130.000 carros.

A Pontiac não desenvolveu bem o Fiero, e os primeiros modelos foram mal montados. A potência do motor não era boa e o interior era apertado. A GM respondeu atualizando o carro e, no final dos anos 1980, o Fiero era um esportivo com 150 cv de motor 2.8V6. Infelizmente, os riscos de segurança o tornaram um dos piores fracassos da história dos carros esportivos americanos.

Ao longo dos anos, a Mercury vendeu inúmeros modelos com o nome Capri. Primeiro, era apenas um nível de acabamento do sedã Mercury, depois era um Ford Capri rebatizado da Europa. No final dos anos 1970 e início dos anos 1980, era a versão Mercury de um Ford Mustang com plataforma Fox. No entanto, em 1991, era um modelo novo e próprio.

Carro esportivo - Carro

A Mercury queria um conversível compacto, e este pequeno carro era exatamente isso. Eles montaram o Capri de 1991 a 1994 na Austrália e o venderam nos Estados Unidos. O simpático carrinho de dois lugares tinha motor 1.6 e tração dianteira. Apesar de ser um carro honesto em todos os aspectos, ele não conseguiu ganhar popularidade significativa e agora é classificado entre os fracassos de vendas da época; foi retirado do mercado em 1994.

Durante os anos 1980, a Ford tentou várias abordagens para reviver sua imagem de carros de bom desempenho. Uma delas foi a introdução do modelo Merkur XR4Ti. Tratava-se basicamente de um Ford Sierra britânico com um “pacote” aerodinâmico especial, motor 2.3 turbo de quatro cilindros e outras melhorias.

Merkur XR4Ti - Carro

A Ford o imaginou como um hot hatch de tração traseira, credenciais de corrida e melhor dinâmica de condução do que seus concorrentes de tração dianteira. Infelizmente, o Merkur XR4Ti não teve sucesso, pois era muito caro, ficando assim entre os fracassos de vendas, já que o mercado americano não entendia essa visão da Ford.

Embora o Mercury Capri dos anos 1980 fosse apenas um Mustang de carroceria Fox com grade diferente, havia uma versão especial que merecia mais atenção. Naquela época, a American Sunroof Company (ASC) era famosa por suas versões conversíveis de vários modelos de produção. Assim, eles se uniram à Ford para produzir variantes abertas de dois lugares do Mustang e do Capri.

1985 Mercúrio Capri | GAA Carros Clássicos

Mas a Mercury também tinha um acordo com a McLaren, então em 1984, eles apresentaram um modelo especial chamado ASC McLaren Capri. Os carros estavam disponíveis como cupê ou conversíveis com muitas melhorias em relação ao modelo de série. O 5.0V8 entregava 210 cv, um aumento significativo de potência em relação aos outros modelos. Havia detalhes diferentes, como faróis de neblina, rodas especiais e kits de carroceria. No entanto, a produção geral foi baixa, e ele alinhou com outros fracassos de vendas que encerraram a linha ASC McLaren em 1986.

A terceira geração do Ford Mustang apareceu como linha 1979. Trouxe alguma modernização necessária na época para o Mustang. O chamado Mustang de carroceria Fox era mais elegante, moderno e aerodinâmico. Também foi um pouco mais leve e ágil, o que se refletiu no desempenho.

No entanto, a maior novidade foi a introdução do motor turbo, então um recurso de última geração na época. O departamento de Operações de Veículos Especiais (Special Vehicles Operation, SVO) da Ford introduziu um Mustang SVO especial para 1984. Ele contava com motor 2.3 turbo de quatro cilindros com 175 cv, o que era muita potência para um motor pequeno. Estes motores -aspirados- eram fabricados também no Brasil para os Maverick e foram exportados para os Estados Unidos.

O motor potente em um carro leve tornou o Mustang SVO 1984 altamente popular. O “pacote” de preparação incluía freios a disco nas quatro rodas, suspensão mais firme e direção mais direta, transformando o pequeno Mustang em um esportivo eficiente, como deveria ser. Para 1985, o SVO aumentou a potência para impressionantes 205 cv, atraindo o público para esta terceira geração do Mustang. No entanto, os clientes não ficaram impressionados, já que o Mustang com motor menor custava mais do que o GT com motor 5.0V8. Isso significava que o SVO não seria um grande vendedor, e ao invés disso, foi outro dos fracassos de vendas da época.

Depois de tirar alguns anos de folga de grandes novidades, a Oldsmobile apresentou um novo modelo Hurst/Olds -de edição limitada- para o ano-modelo de 1983. O Cutlass era a única plataforma de tração traseira de tamanho médio que poderia servir de base para um muscle car depois que as ofertas menores da Oldsmobile passaram para a tração dianteira.

Debaixo do capô estava um 307V8 com 180 cv, que era relativamente rápido e acelerava de zero a 100 km/h em menos de oito segundos. O segredo foi o famoso “Oldsmobile Lightning Rod Shifter”, um automático com três alavancas, uma principal e duas separadas para troca manual da primeira e segunda marchas.

O Hurst/Olds de 1983 vendeu 3001 exemplares, classificando-o entre os fracassos de vendas. Eles não mudaram o carro para o ano-modelo 1984 e a produção subiu para 3.500 unidades. Hoje, no entanto, ambos os modelos são carros de colecionador altamente valorizados.

A cultura hot rod/street rod é uma das peças-chave do imaginário automotivo americano em geral. No entanto, nenhuma empresa jamais ousou apresentar um hot rod construído de fábrica. Isso até 1997, quando a Plymouth apresentou o Prowler. Era um espetacular roadster retrô-futurista com motor V6 e visual único.

Eles imaginaram o Prowler como uma extensão da ousadia do Viper. Felizmente, o Prowler foi um sucesso no circuito de shows e Salões, e a Chrysler queria capitalizar isso. Apesar de ter algum sucesso inicial, o carro provou ser um fracasso de vendas e agora também se classifica como um dos fracassos de vendas. Os clientes esperavam motores V8 em vez de V6, mas a plataforma escolhida não comportava..

Apesar das vendas limitadas do Cutlass W41 original em 1991, a Oldsmobile sabia que o quatro cilindros de 2,3 litros tinha o potencial de ser mais do que apenas uma nota de rodapé em sua história. Desde que eles descontinuaram o Cutlass Calais em 1992 e o substituíram pelo novo modelo Achieva, a Oldsmobile decidiu introduzir outra versão W41.

O objetivo era desenvolver ainda mais o conceito de um esportivo compacto de tração dianteira. Para os anos de 1992 e 1993, a Oldsmobile ofereceu o modelo SCX W41. Foi a última versão W do Oldsmobile construída, baseada na SCX W41 do modelo anterior. Ele contava com o mesmo motor 3.2 de quatro cilndros e 190 cv, que girava até 7.200 rpm. O visual foi melhorado, bem como ointerior.

Além disso, a GM fez algumas mudanças na suspensão e nos freios. Mas a maior melhoria foi a caixa de câmbio manual de cinco velocidades Getrac, que foi desenvolvida especialmente para este modelo. O SCX W41 foi o carro mais rápido de seu segmento. Mas, apesar de suas qualidades, ele ainda voava abaixo do radar da maioria dos entusiastas da marca. A Olds vendeu apenas 1.600 deles e o adicionou à longa lista de fracassos da época.

Oldsmobile - General Motors

O Oldsmobile Jetfire é um modelo importante para a história automotiva, mas que nunca teve o respeito que merecia. Este foi o primeiro carro de passeio turbo ao lado do Chevrolet Corvair Monza. No entanto, o sistema Oldsmobile era mais complexo e potente do que o sistema Chevrolet. Naquela época, cada divisão da GM competia para apresentar algo melhor que seus concorrentes.

Assim, a Oldsmobile escolheu o turbo como a nova tecnologia a ser aperfeiçoada. A GM adicionou um tanque de combustível especial, o “Turbo Rocket Fuel” que consistia em armazenar água destilada, metanol e uma mistura inibidora de corrosão, que era injetado junto com a mistura ar/combustível para evitar a detonação. Isso era necessário, já que os motores com turbo-compressores eram propensos à detonação naqueles dias, o que poderia arruinar o motor.

O Jetfire V8 era pura tecnologia de ponta e inicialmente o mercado se interessou. O 215V8 entregava 215 cv, um cv por polegada cúbica de cilindrada, tornando-se um dos carros de melhor desempenho da época. Com o tempo oito segundos na aceleração de zero a 100 km/h, era quase tão rápido quanto o Corvette.

No entanto, o Jetfire teve problemas desde o início, a maioria relacionados aos proprietários. As pessoas elogiavam a entrega de potência, mas não estavam acostumadas com a manutenção de um motor turbo. Muitos proprietários esqueciam de abastecer o tanque “Turbo Rocket Fuel”. Isso causava perda de potência e até falhas no motor. Logo o Jetfire ganhou má reputação, apesar dos elogios das revistas especializadas. Depois de apenas dois anos e cerca de 10.000 Jetfire vendidos, a Oldsmobile decidiu matar o carro e a tecnologia de turbo, colocando-o entre nossos fracassos exclusivos.

As corridas da Nascar foram um dos campos de batalha mais importantes nas guerras dos muscle cars. No final dos anos 1960, as pistas ovais foram palco de muitos confrontos ferozes entre Ford, Chevrolet, Dodge, Plymouth e Pontiac. O período mais interessante foi mesmo o final dos anos 1960, quando as regras da NASCAR permitiram modificações nas carrocerias para tornar os carros mais aerodinâmicos.

A condição era aplicar essas alterações a exemplares de produção regular e vender um número limitado desses carros ao público, para efeito de homologação. A maioria dos fabricantes aproveitou essa oportunidade e criou “aero racers”, modelos especialmente projetados homologados para as corridas.

Dodge Charger Daytona - Dodge

Dois dos mais famosos são os hoje lendários Dodge Daytona e o Plymouth Superbird. A Chrysler construiu esses dois carros por apenas um ano,o Dodge em 1969 e o Plymouth em 1970. Eles projetaram ambos os carros usando túnel de vento. A grande asa traseira foi essencial para alcançar altos downforces em velocidades elevadas nas corridas da NASCAR. Eles fizeram apenas 500 Dodge Daytona e 2.000 Plymouth Superbird; quando eles introduziram o Daytona em 1969, as regras diziam que eles tinham que produzir mais de 500 cópias.

No entanto, enquanto eles produziram o Superbird em 1970, as regras mudaram. A fabricante tinha que produzir um carro por concessionária, que era exatamente 1.936 carros no caso do Plymouth. Ambos os modelos foram bem-sucedidos na NASCAR e o investimento em suas carrocerias especialmente construídas valeu a pena. Daytona e Superbird são peças raras, caras e altamente incomuns da história do muscle car. Não se pode dizer que foram fracassos, pois eram apenas modelos para homologação, mas como venderam poucas unidades, foram parar na vala comum.

Saturno - General Motors

Os fabricantes americanos não gostam de roadsters. Além da primeira geração do Ford Thunderbird, Corvette e Viper conversível, não havia modelos pequenos de dois lugares e capota aberta produzidos. É por isso que a decisão da GM de criar um pequeno roadster turbo em 2005 na forma do Pontiac Solstice e Saturn Sky, foi ousada e estranha. Esses modelos eram basicamente versões americanas do Opel GT da Europa.

Mas a GM pensou que ter um roadster de dois lugares poderia ajudar a trazer de volta as vendas da Pontiac e ajudar a imagem da Saturn. Infelizmente, ele não fez nenhuma e nem outra dessas coisas, embora o Solstice e o Sky fossem carros potentes e divertidos de dirigir.

Em comparação com o BMW Z4 ou Mercedes SLK, por exemplo, o carrinho da GM tinha preço muito mais baixo. Ele também entregou até 290 cv na versão Pontiac Solstice GXP, oferecendo ótimo desempenho e dirigibilidade. Depois de alguns anos no mercado, os números de vendas não foram impressionantes, porque os compradores de carros não entenderam estes modelos, tornando-o um dos vários fracassos significativos. A GM interrompeu a produção e, alguns anos depois, também não havia mais novos Pontiac ou Saturn no mercado; as marcas desapareceram…

O final dos anos 1970 e início dos anos 1980 foram tempos ruins para os muscle cars, mas ainda havia algumas versões exclusivas que Detroit lançou nesse período. Um deles é o famoso McLaren Mustang M81. Este interessante carro foi construído com a ajuda da equipe de corrida McLaren, que ficava sediada em Michigan.

Ford Mustang - McLaren Automotive

A ideia por trás do projeto era tirar o motor 2.3 turbo do Mustang comum e transformá-lo em um carro de corrida para ser usado na rua. Ele incluía suspensão recalibrada para pista (ou seja, mais baixa e dura) e uma carroceria leve. McLaren e Ford instalaram um motor turbo preparado, com 190 cv, que era um grande número vindo de um 2.3 litros. Eles também mudaram o visual do Ford Mustang.

O resultado foi um bom desempenho e dinâmica de condução, mas também um preço alto. A Ford ofereceu o McLaren M81 por US$ 25.000, cerca de três vezes o preço de um Mustang comum. Mesmo com eles instalando muitas melhorias no M81, foi um vendedor difícil. A Ford comercializou apenas 10 unidades antes de cancelar o projeto, tornando-o um dos grandes fracassos de vendas da Ford. Convenhamos, uma injustiça.

Esse é uma versão duas portas e esportiva do nosso velho conhecido Omega australiano. A Pontiac entendeu a mensagem com o sucesso da apresentação do GTO Concept em 1999. Mas o maior problema era que eles planejavam descontinuar o Firebird Trans Am, então não havia plataforma ou projeto apropriado para basear o GTO. Pontiac e General Motors não tinham tempo ou dinheiro para investir em uma nova plataforma, então a GM procurou nas suas subsidiárias, encontrando o carro perfeito na Austrália.

A Holden, filial australiana da GM, produziu um muscle car moderno, de tração traseira, chamado Monaro. Ele usava uma plaaforma atual e uma elegante carroceria de duas portas, assim como o GTO original. Ele também tinha uma suspensão traseira independente e freios a disco. O plano da GM era importar o Monaro para os EUA e rebatizá-lo como GTO.

Pontiac GTO 2005 - Pontiac GTO 2006

Mas as coisas não saíram como planejaram. O primeiro ano para o GTO moderno foi 2004 e o carro recebeu elogios universais dos compradores e da imprensa de automóveis. Sob o capô estava o LS1 5.7V8 com 350 cv, entregando desempenho suficiente para ser um dos melhores carros do mercado americano para 2004. A meta de vendas era de 18 mil carros, e a Pontiac vendeu quase 20.000 mil, o que foi considerado um sucesso.

A Pontiac apresentou o motor LS2 6.0V8 de 400 cv, oferecendo assim melhor desempenho em 2005. Embora fizesse de zero a 100 km/h em apenas 4,6 segundos, as vendas começaram a cair e ficaram em 11.000, ameaçando classificá-lo entre os fora de linha para 2006. O carro não empolgou os clientes como os GTO antigos. O projeto foi contido para os interessados, e não agressivo como deveria ser. Embora fosse rápido, o novo GTO não atraiu os compradores, o que foi o principal motivo de seu desaparecimento precoce.

No final dos anos 70, o segmento de carros americanos de alto desempenho americano era uma pálida sombra de sua antiga glória. Mas em 1977, a Pontiac apresentou o Can-Am, o modelo de apenas um ano de produção, que foi o último verdadeiro muscle car, com grande potência embalado em um estilo de carroceria único e na cor branca.

Pontiac LeMans - Carro

Debaixo do capô do Firebird Trans Am, havia um grande motor 455V8 com 200 cv. Isso era mais do que qualquer outro muscle car no mercado naquele momento. O “pacote” Can-Am consistia em “persianas” especiais nos vidros laterais traseiros, um spoiler traseiro e uma longa lista de opcionais especiais. Eles introduziram o carro no início de 1977 e o mercado respondeu bem. Na verdade, a Pontiac recebeu 10.000 reservas, mas, no final, venderam apenas 1.377 Can-Am, colocando-o entre os fracassos de vendas da década.

Desde que a era original dos muscle cars terminou no início dos anos 1970, a Oldsmobile tentou recuperar a magia do 442 original. O “four-four-two” originalmente significava “quadrijet-quatro marchas-duas saídas de escapamento”.

Por trás desse nome homenageado está um Calais compacto, de tração dianteira, duas portas, com motor de 2.3 quatro cilindros bem ajustado, que desenvolvia 190 cv. Hoje, isso não parece tão potente, mas quando eles apresentaram este carro há pouco mais de 30 anos, 190 cv era considerado algo interessante.

Graças ao seu baixo peso, suspensão ajustada para corridas e caixa de câmbio, o Calais 442 W41 podia acelerar muito rápido, deixando para trás carros muito maiores e mais caros. Infelizmente, eles limitaram a produção a apenas 204 carros. Apesar de seu ótimo desempenho, a maioria dos esqueceu o W41. No entanto, influenciou outros fabricantes de automóveis a apresentarem carros compactos e mas potentes, semelhantes. Sem este esquecido Oldsmobile, nunca teria existido o Chevrolet Cobalt SS ou o Dodge Neon SRT-4, entre outros.

O início dos anos 1070 marcou o início do fim para os muscle cars, com a chegada do downsizing (redução de tamanho), controles de emissões mais rígidos e padrões de segurança elevados. A AMC foi uma das primeiras empresas a perceber que precisava de uma nova geração de muscle cars para manter os clientes ávidos por potência satisfeitos. Então, em 1971, lançaram o Hornet 360.

Mesmo que o Hornet tenha chegado pouco antes da chamada “Malaise Era” (“Era do Mal-estar), ele se encaixa nesse perfil. A “Malaise Era” foi de 1973 a 1983, quando a maioria dos carros americanos oferecia números de desempenho ruins. A AMC baseou o Hornet 360 num carro econômico de linha, chamado Hornet, equipando-o com uma suspensão mais aprimorada e direção mais direta. Além disso, adicionaram adesivos decorativos e um motor 360V8, transformando o pacato Hornet de um compacto comum para um muscle car eficiente. A potência não era grande, de 245 cv, mas na carroceria leve eram garantia de fortes emoções.

AMC Hornet - AMC Pacer

O resto das ofertas de muscle cars em 1971 teve problemas com grandes tamanhos e pesos, bem como motores que não produziam mais a potência que se esperava. Mas o Hornet 360 era um dos carros mais rápidos disponíveis. Esta é a única vez que um carro da “Malaise Era”, ou pré-Malaise, possuía desempenho realmente bom.

Infelizmente, a maioria dos compradores não entendeu a visão de futuro da AMC, então eles venderam menos de 800 Hornet em 1971. Isso fez do Hornet 360 um muscle car raro e desconhecido. Em uma época em que maior era sempre melhor, o Hornet 360 era incomum por seu tamanho compacto e motor forte. Infelizmente, as pessoas não perceberam como era boa a ideia por trás disso, e ele se tornou um dos muitos fracassos da AMC.

Sim, você já viu esse carro por aqui. É o irmão gêmeo do Mitsubishi 3000 GT. O Dodge Stealth é outra lenda dos anos 1990 que a maioria dos entusiastas de carros esportivos tradicionais esqueceu, o que é uma pena. Com seus faróis escamoteáveis, vidro panorâmico traseiro e grande aerofólio, o Stealth exala e exalta o desenho início dos anos 1090. Mas há muito mais sobre este carro do que apenas a nostalgia contemporânea, pois é um carro de desempenhomuito sério.

Carro esportivo - Carro

Sob o capô está um 3.0V6 biturbo de 24 válvulas biturbo de 300 cv e envia sua potência para as quatro rodas por meio de um sistema AWD inteligente. O Dodge Stealth é basicamente o irmão gêmeo do Mitsubishi 3000 GT, como dissemos antes. Na verdade, os dois carros são idênticos e diferem apenas em pequenos detalhes. Eles chegaram a ser produzidos na mesma linha de montagem no Japão e depois eram levados para os Estados Unidos. Mas eram caros e com pouco espaço interno.

Este é um interessante muscle car nascido por acaso. Acomodar um motor 327V8 do Nash Ambassador na pequena, compacta e leve carroceria Rambler criou uma “máquina musculosa” rápida, mas despretensiosa. O 327V8 entregava 255 cv, o que não era muito, mas na carroceria compacta Rambler era suficiente para um tempo de sete segundos no zero a 100 km/h.

E para tornar as coisas ainda mais interessantes, apenas o caro Chevrolet Corvette com injeção de combustível poderia superar o pequeno Rambler em 1957. No entanto, a opção de motor potente elevou o preço do Rambler mais barato. Por isso, havia apenas alguns poucos compradores dispostos a pagar mais pelo privilégio de superar qualquer outro carro nas estradas. E assim a conseguiu vender apenas 1.500 deles.


Compartilhe!
1720888608