Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

JÁ ACELERAMOS A NOVA S10

Compartilhe!

Nova S10 chega custando a partir de R$ 58.868.

Depois de 16 anos, a pickup S10 vai ter sua merecida aposentadoria. Como antecipamos há mais de um ano, a nova S10 chegou. E da anterior, restou apenas o nome e o motor 2.4 flex. De resto, tudo novo. A responsabilidade da nova Chevrolet é grande, pois hoje quase metade da frota circulante de pickups médias no Brasil é de S10.

A novíssima Chevrolet S10 é toda diferente e global. E foi projetada pelo Centro de esenvolvimento da GM do Brasil, em São Caetano do Sul, para dar sequência à tradição da marca, referência no segmento. Deveria ter sido lançada há dois anos, mas a crise que balançou a GM nos Estados Unidos atrasou esse projeto. E outros também. Mas agora ela está aí.

A pickup S10 2012 é fruto do desenvolvimento global da Chevrolet, com extensa participação das áreas de design, engenharia e powertrain da GM Brasil. Além da fábrica de São José dos Campos, em São Paulo, a nova S10 já é produzida na Tailândia –um dos maiores mercado do mundo para esse tipo de veículo- e em breve será lançada em outros paises, inclusive Estados Unidos. O nome vai se alternar entre S10 e Colorado, conforme a região. É baseada na arquitetura da montadora para pickups “body-on-frame” (ou seja, com carroceria e chassi).

VÁRIOS MERCADOS

A Chevrolet S10 será produzida na fábrica de São José dos Campos, em São Paulo, para atender ao mercado brasileiro e ser exportada para outros países do Mercosul, como Argentina, Paraguai e Uruguai. Está sendo fabricada em Rayong, na Tailândia, para suprir a demanda daquela região e de países nos continentes asiáticos e australiano.  Além destes, outros países estudam a produção e comercialização da nova pickup.

Para disputar mercado com Hilux e Amarok.

Em relação ao estilo, a S10 é realmente imponente, e muda de categoria, pelo menos em aplicação (não em preço), competindo com VW Amarok e Toyota Hilux, por exemplo. Seu porte a faz ser facilmente confundida com modelos de segmento superior, mas suas linhas têm as características da Chevrolet, em especial na dianteira e painel.

DESENHO ATUAL

Com a frente alta, e a grade dividida pela barra horizontal que aloja o logo da Chevrolet, a S10 tem visual parrudo, que não deixa dúvidas de sua capacidade de superar obstáculos. As linhas agressivas da dianteira ficam mais suaves na lateral, mas a idéia de robustez continua f orte no desenho, graças aos recortes altos dos paralamas.

Pickup foi desenhada no Brasil. E vai para o mundo.

Desenhar um modelo que se adeque a diversos mercados não é fácil. E o grande desafio de Carlos Barba e sua equipe sem dúvida foi desenhar um produto de abrangência global e em diferentes versões, para atender diversos países, criando assim uma nova linha S10. Para o Brasil, estarão disponíveis as cabines simples e dupla.

O desafio não terminou por aí. Os faróis da S10, por exemplo, são diferentes. Há mercados onde serão utilizadas lâmpadas halógenas, que pedem um tipo de refletor. Em outros, o farol com projetor modifica o desenho interno dos refletores. O mesmo vale para as lanternas traseiras. Apesar de terem desenho semelhante, em algumas versões elas utilizam lâmpadas, mas na versão top de linha, as lanternas da nova S10 são com leds.

S10 oferece opções para trabalho e lazer.

Entre os pontos de destaque do desenho da S10, estão a grade bipartida com bordas cromados (nas versões intermediária e top de linha); faróis de dupla parábola (básica e intermediária) ou com projetor (incomum no segmento, para o top de linha); “gravatinha” Chevrolet em destaque (de seis centímetros na dianteira e nove centímetros na traseira); lanternas com leds na versão top; rodas de liga leve aro 16 e 17 conforme a versão; coeficiente de penetração aerodinâmica de 0,48 (contra 0,50/0,60 da concorrência); cabine simples com a maior capacidade de carga do segmento (1.570 litros de volume e 1.303 kg) e cabine dupla também com a maior capacidade do segmento (1.208 kg).

INTERIOR

Lembra do painel da antiga S10? Então esqueça tudo. A nova pickup tem painel de linhas atuais, integrado com o console central e no conceito de Dual Cockpit, típico dos Chevrolet. Parece até o interior de um carro grande e de luxo. O painel de instrumentos traz linhas agradáveis e contínuas, que se estendem até as portas, criando um efeito envolvente, com o Dual Cockpit mais aconchegante e acolhedor. O espaço interno aumentou muito, e a nova S10 está bem nesse quesito. A altura dos assentos dianteiros permite excelente visibilidade e os comandos ficam sempre à mão.

No interior, luxo e conforto.

Na versão cabine dupla da nova S10, o espaço também é muito bom. A pickup traz os melhores números da categoria em termos de espaço para ombros, pernas e na distância entre os joelhos dos passageiros e as “costas” dos bancos dianteiros.

O interior da S10 tem boas novidades. O Dual Cockpit com linhas que se estendem até as portas, aumenta a percepção de refinamento e qualidade; painel em duas cores com diferentes superfícies nas versões intermediárias e top de linha; acabamentos cromados para as versões top de linha e prata e preto para as versões intermediária e básica respectivamente; iluminação do painel feita por leds, Ice Blue, nos mostradores, console central e nos comandos da pickup; bancos com espumas de diferentes densidades entre encosto e assentos, visando ainda mais o conforto dos ocupantes; bancos revestidos de couro nas versões top de linha e em tecido nas versões ásicas e intermediárias; CD player, MP3, Bluetooth, entrada auxiliar (12V) e mini-USB, e vários porta objetos (16 na cabine simples, e 26 na dupla), entre outros.

Instrumentos tem iluminação Ice Blue.

BOA CARGA

A versão cabine simples tem excelente espaço para carga. A caçamba tem 2,32 metros de comprimento, 1,53 metro de largura e 0,44 metro de altura, totalizando volume de 1.570 litros e com a maior capacidade de carga da categoria, de 1.303 kg.

Com excelente capacidade e reboque, a nova S10 tem características de dirigibilidade e conforto acima do que se espera para uma pickup média. Além da estrutura body-on-frame (carroceria e chassi), a suspensão (independente com molas helicoidais na dianteira e eixo rígido e feixe de molas na traseira) conta com duas configurações (normal para versões Flex e heavy duty para versão diesel). A diferença entre elas está na calibração de molas e amortecedores.

Cabine simples, maior capacidade de carga.

A S10 2.8 Turbodiesel utiliza um conjunto mais rígido, que permite maior capacidade de carga (até 1.303 kg para a cabine simples e até 1.208 kg para a cabine dupla). Já a S10 2.4 Flexpower carrega até 1.078 kg na versão de cabine simples e até 982 kg na cabine dupla. Além da maior capacidade de carga da categoria, impressionam os números de capacidade de reboque. A nova S10 Turbodiesel, em qualquer configuração, pode rebocar até 3.500 kg. Não se trata apenas de suspensão. Esses valores de capacidade de carga são derivados de um conjunto forte e robusto, que envolve motor, tração, câmbio e embreagem.

O sistema de direção é por pinhão e cremalheira e conta com assistência hidráulica em todas as versões. Outro item relevante é o sistema de freio, que utiliza discos ventilados na dianteira e tambor na traseira. Todas as versões trazem de série ABS com EBD e CBC. A versão LTZ ainda conta com controles de tração e estabilidade e ROP (Roll Over Prevention)”.

Além de todo o trabalho no desenvolvimento da nova S10, a engenharia brasileira submeteu a S10 a muitos testes de durabilidade, rodando mais de 3 milhões de quilômetros pelos cinco continentes do mundo. Foram cerca de 300 protótipos –sem contar as “mulas”– para o  desenvolvimento da plataforma e todas as versões de cabine e suspensão.

Voltada ao trabalho.

A S10 também foi testada a –30ºC nos Estados Unidos, na cidade de KapusKasin e também enfrentou a região desértica de Outback, na Austrália, onde durante o dia as temperaturas podem chegar a 45ºC. Parte da validação dos motores foi feita na Europa e diversos testes de reboque
foram feitos na Tailândia.

A nova pickup apresenta bom desempenho no fora de estrada. Com altura de 22,5 centímetros
em relação ao solo, consegue ângulo de ataque de 30,7º e na saída de 16,1º, tanto na cabine simples quanto na de cabine dupla.

MOTORES

Um novo motor foi desenvolvido para a S10, o 2.8 Turbodiesel, que tem bloco de ferro fundido, para garantir durabilidade e cárter e cabeçote feitos em alumínio, como parte de uma “dieta” para reduzir seu peso. É fruto da parceria da GM com a MWM International Motores, que assinaram acordo em 2008 para o fornecimento de 420 mil motores diesel. O acerto garante o fornecimento de motores por sete anos, e a expectativa é de atingir 60 mil motores/ano. Segundo a GM, este foi o maior contrato desse tipo já firmado pela montadora com um fornecedor no Brasil.

Entre as tecnologias que o 2.8 Turbodiesel CTDI tem, está o turbo de geometria continuamente variável. Além disso, o novo motor da Chevrolet S10 oferece tecnologia para reduzir emissões, melhorar o consumo e ganhar em suavidade de funcionamento. O cabeçote, por exemplo, conta com duplo comando de válvulas tubular, mais leve. Feitos em aço inox, eles reduzem a inércia do sistema, já que pesam menos e roubam menos potência do motor para serem acionados. Tem também balancins roletados de baixo atrito.

Faróis e lanternas mudam de acordo com a versão.

O motor diesel é equipado com “common rail”, velas aquecedoras e ajuste hidráulico das válvulas. Outra novidade está no corpo de borboleta, de nova geração, que oferece controle mais preciso da válvula EGR. Isso contribui para diminuir emissões e reduzir os trancos na hora de desligar o motor, graças a uma sequência pré-definida de movimentos da borboleta.

O resultado disso tudo é o maior torque e potência da categoria. São 47,9 mkgf disponíveis já a 2.000 rpm. A potência máxima é de 180 cv a 3.800 rpm.  Dados importantes em veículos  comerciais.

NOVIDADES NO FLEX

Além do 2.8 Turbodiesel, a Chevrolet promoveu importantes alterações no conhecido motor 2.4 FlexPower. Ele recebeu novo cárter, de alumínio estrutural, que reduz seu peso. As modificações mais importantes, no entanto, vieram na admissão e gerenciamento do motor, já que o 2.4 FlexPower recebeu novo corpo de borboleta e novo sistema de admissão, com filtro, ressonador de ar e inédito sensor de massa de ar.

Tais modificações foram essenciais para adoção do “System Zero”, de gerenciamento do motor -desenvolvido pela Chevrolet- que conta com número maior de sensores (de massa de ar, rotação e temperatura). O System Zero permite, por exemplo, que a central eletrônica do motor module melhor o corpo de borboleta, trazendo acelerações mais suaves e ganho de torque. Dos anteriores 21,9 mkgf, o 2.4 passou a 24,1 mkgf, com 90% deste valor atingido já nas 2.800 rpm. A potência continua a mesma: 147 cv (etanol) e 141 (gasolina), ambas em 5.200 rpm.

Rodas de liga-leve.

O sistema de escapamento da S10 2.4 FlexPower também foi modificado e a nova pickup vem com outros catalisadores e dutos de escapamento, que melhoram o fluxo dos gases e reduzem os níveis de emissões.

CÂMBIO E TRAÇÃO

A nova Chevrolet S10 apresenta novidades também na transmissão. São novas caixas de câmbio manuais de cinco marchas, a FSO2505 e a FSO2105 (para motores Diesel e Flex), e a inédita transmissão automática de seis marchas.

As duas caixas manuais são bem semelhantes, e a diferença básica entra elas está nas relações de marcha. O desenvolvimento foi focalizado, além da durabilidade, em importantes calibrações na área de engates. A primeira delas são sincronizadores triplos que, aliados com alavanca de menor curso e engrenagens retificadas e de alta precisão, garantem engates fáceis e descomplicados, incluindo os de ré, que também são sincronizadas.

Mesmo na cabine simples, bom espaço interno.

O sistema de tração 4×4 da Chevrolet S10 também é nova. Conta com acionamento eletrônico, por meio de seletor no console. As versões 4×4 apresentam nova caixa de transferência de duas velocidades com reduzida e opção de 4Hi “shift on the fly”, que permite o engate do sistema em velocidade. A caixa de transferência conta também com a posição Neutro, que protege a transmissão quando for necessário rebocar a pick-up.

As versões LT e LTZ contam com a transmissão automática de seis marchas. Além de toda comodidade e conforto, esta caixa conta com o Active Select, que permite o controle total da transmissão, por meio de trocas manuais, e maior esportividade. Além disso, o câmbio conta com o Clutch to Clutch, que proporciona mudanças suaves e rápidas e com o EC3, que gerencia o travamento do conversor de torque, proporcionando menor consumo de combustível.

Outros importantes itens que a S10 apresenta são o “Press Clutch to Start”: para dar a partida é preciso pisar no pedal da embreagem, a fim de evitar que o usuário dê a partida com o caâmbio engatado proporcio, e o “Automatic Start”, para maior suavidade na partida, pois evita que o usuário segure a chave e sobrecarregue o sistema de partida do motor. Basta apenas um giro na chave para por o motor em funcionamento.

12 ESCOLHAS

Existem pickups S10 para todos os gostos. São 12 configurações, que se dividem entre motores diesel e flex, cabines duplas e simples, tração 4×2 e 4×4 e três níveis de acabamento e equipamentos: LS, LT e LTZ. As 2.4 Flexpower serão vendidas em cinco configurações, todas 4×2. São duas opções de cabine simples, a LS e a LT e três na cabine dupla, LS, LT e LTZ.

Inicialmente, as 2.8 Turbodiesel serão vendidas em sete versões. A versão de cabine simples só será comercializada como LS e com tração 4×4. A versão Turbodiesel com cabine dupla terá versões LT e LTZ, com  tração 4×2 e 4×4, sendo que ainda há a opção do câmbio automático de seis marchas como opcional das LT e de série na LTZ.

Porta-objetos sob o banco traseiro.

A LS, tanto na 2.4 Flexpower quanto 2.8 Turbodiesel, já sai de fábrica com ar-condicionado, direção hidráulica, freios ABS, computador de bordo, luz de cortesia e alça de apoio no teto, grade de proteção no vidro traseiro e ganchos externos na caçamba (cabine simples), protetor de cárter e banco do passageiro maior, para acomodar mais dois ocupantes além do motorista e limited slip (sistema de deslizamento limitado do diferencial).  A 2.8 Turbodiesel 4×4 ainda conta com o seletor de tração, já que é equipada com 4×4.

Com cabine dupla e simples e ambas as motorizações, a versão LT é a intermediária, e além dos itens da versão LS, traz itens como alarme antifurto, alça de apoio dos dois lados, airbag duplo (cabine dupla), cobertura do piso em carpete, chave “canivete”, volante regulável, desembaçador do vidro traseiro, farol de neblina, gancho de reboque dianteiro, retrovisores com luzes de direção, tampa traseira com chave (cabine dupla), travas elétricas, rodas de liga leve aro 16, pneus 245/7016, sistema de deslizamento limitado de diferencial, CD Player com MP3 com Bluetooth/entrada mini-usb e entrada auxiliar, piloto automático com controle no volante e vidros elétricos nas quatro portas.

Câmbio automático, engates suaves.

A LTZ é disponível apenas cabine dupla, com todas as opções de motor, tração e câmbio, e oferece os mesmos itens que a LT. Além disso, conta com ar-condicionado digital, detalhes cromados, bancos do motorista com ajustes elétricos, controles de tração e de estabilidade (LTZ diesel), controles do sistema de som/áudio/piloto automático no volante, luz de neblina traseira, lanternas traseiras com leds, regulagem elétrica dos faróis, bancos de couro, rodas de liga leve aro 17, pneus 255/6517,  pára-choque traseiro com molduras cromadas, estribos laterais e rack de teto.

CONCLUSÃO

As pickups sempre foram importantes dentro da história da GM, e no Brasil não foi diferente. A nova S10 demorou um pouco, mas chegou em boa hora. É moderna, tem nível de qualidade para brilhar em outros mercados, e o conjunto mostrou excelente equilíbrio. É agradável de ser conduzida,
espaçosa e confortável. Seu sucesso está garantido, e como única ressalva, o fato de não ter a cabine estendida disponível no nosso mercado. De resto, é sentar e acelerar.

A GM já anunciou os preços da nova S10 2012. O modelo mais barato começa em R$ 58.868 (cabine simples, motor 2.4 flex e tração 4×2). No outro extremo, a mais cara custa R$ 135.250 (cabine dupla, motor 2.8 diesel e tração 4×4).

Nova pickup oferece 12 configurações.

 

– Leia mais em AUTO&TÉCNICA e SUPER CHEVY.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español