Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Mercado cai, e Ford pode demitir 10% de seus funcionários

Compartilhe!

Não, não estamos falando de mercado brasileiro. Pressionada pela forte desaceleração do mercado de automóveis nos Estados Unidos, a Ford pode demitir até 20 mil dos seus funcionários em todo o mundo, como forma de enfrentar a pressão crescente para economizar dinheiro e aumentar lucros. O fraco desempenho das ações também colabora para isso.

Sob fortes críticas e pressão por parte dos acionistas da empresa norte-americana, o chefão Mark Fields, terá que explicitar a sua estratégia, que inclui economia de quase US$ 3 bilhões este ano, com a aplicação de medidas de austeridade.

Diante destes dados ainda extra-oficiais, um porta-voz da Ford declarou: “Nós ainda não anunciamos medidas de poupança em relação aos empregados e não comentamos especulações. Continuamos focados em três prioridades estratégicas que criem valor e provoquem crescimento do lucro (…), reduzir os custos e tornar-se tão ágil e eficiente quanto possível”, acrescentou.

Na liderança da marca desde julho de 2014, Fields faz uma gestão que não agrada aos acionistas. Tem apostado na tecnologia, adquirindo empresas emergentes especializadas em inteligência artificial, reforçando a presença da Ford no Silicon Valley (o centro de todas as inovações científicas e tecnológicas), para fazer parte dos primeiros grupos a comercializar um veículos autônomos.

Mas isso não impediu as ações de terem descido perto de 36% desde a sua tomada de posse e de se terem vendido menos 7,2% de automóveis em abril passado (comparando com 2016, foram comercializados apenas 214.695 veículos novos) -o que significa uma diminuição geral das vendas-, e ainda dos lucros terem caído 42% no primeiro trimestre de 2017.

E não para por aí. A Ford registrou aumento de 7% dos seus custos no primeiro trimestre, principalmente devido ao aumento dos preços das matérias-primas, à garantia de contratos de qualidade e aos investimentos.

Os especialistas dizem que 2017 será o primeiro ano de declínio nas vendas de automóveis nos Estados Unidos desde 2009, o que significa problemas para todas as marcas..


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *