VW Golf nacional: muito mais perdas do que ganhos

Compartilhe!

Chegou o novo Golf nacional, mas a recomendação de AUTO&TÉCNICA é simples: compre o importado, se ainda der tempo. Na nacionalização do modelo, quem ganhou foi só a Volkswagen. Explicamos: o carro sofreu um downgrade técnico, piorou em relação ao Golf que era até então importado e praticamente manteve o preço (aumentando o lucro para a marca).

golf-comfortline2-630x420

Uma única vantagem de nacionalizar um carro -vantagem direta para o País e indireta para o consumidor- é o programa Inovar-Auto, que estimula as nacionalizações, e gera alguns novos empregos. A instalação de novas fábricas das montadoras e fornecedores pelo menos movimenta um pouco a economia e traz benefícios para o desenvolvimento do País. Mas é muito pouco reinvestimento diante do lucro das montadoras. Bilhões de dólares continuam sendo remetidos para as matrizes, que ganham ainda mais com as “nacionalizações”, ampliando seus lucros.

MOTOR INFERIOR

O novo motor 1.6 MSI usado no Golf nacional é muito inferior ao anterior 1.4 TSI importado, custando praticamente o mesmo e indo na contramão do que se espera: a nacionalização de carros antes vendidos por aqui como importados deveria trazer vantagens financeiras para o consumidor, mas não. Mesmo se livrando dos 35% do Imposto de Importação, frete e outras despesas, além de usar a mão de obra local (mais barata que a estrangeira), os custos de produção são reduzidos e por isso os preços deveriam cair muito, mas não foi isso que aconteceu.

A exemplo de várias nacionalizações recentes, o resultado é um só: aumenta o lucro das montadoras e não cai o preço para o consumidor. Os BMW Série 1 e Série 3 são vendidos pelos mesmo preços de quando eram importados; o Audi A3 Sedan nacional também chegou com preços praticamente inalterados, mas perdeu o câmbio S-tronic de dupla embreagem e agora usa uma caixa de câmbio automática normal e suspensão traseira menos sofisticada, com eixo de torção no lugar da multilink que equipava o modelo importado.

As montadoras sempre tem uma desculpa na ponta da língua, como o dólar caro (que os beneficia nas exportações), o baixo índice de nacionalização e a necessidade do consumidor pagar para elas o investimento nas fábricas.

Um caso quase absurdo acontece agora, com a chegada da versão nacional do Volkswagen Golf VII. Quem esperava preços menores, se decepcionou, e quem esperava carros no mesmo nível técnico, se decepcionou mais ainda. O mercado aguardava uma versão de entrada mais simples, que custasse menos que os R$ 77 mil iniciais do importado (que começou sendo trazido da Alemanha, e depois do México, deixando pelo caminho, por exemplo, o freio de estacionamento elétrico).

Quando vinha da Alemanha, o Golf custava caro para a marca, mas importado do México, sem o Imposto de Importação, mudou a situação para a Volkswagen. Agora, o Golf brasileiro de entrada, o Comfortline, ficou mais despojado do que devia. O Comfortline -que alemão ou mexicano custava entre R$ 75 mil e R$ 85 mil- mudou para pior  e custa quase o mesmo que os importado. Não é um carro ruim, mas bem pior que os importados.

PREÇOS

O Golf Comfortline 1.4 TSI importado ainda aparece no site da Volkswagen com preços de R$ 76.790 o manual e R$ 83.290 o automatizado. Já o novo Golf Comfortline, nacional, agora com motor 1.6 MSI, sai por R$ 74.590 o manual e R$ 79.990 o automático. Ou seja, perdeu muito e ficou apenas R$ 2.200 e R$ 3.300 mais barato. Mas não ficou mais barato? Não. As únicas vantagens do Golf Comfortline nacional estão nas rodas maiores (aro 17) e no fato do motor ser flex, que com o preço em que se estabilizou o etanol, não é ganho nenhum para o consumidor. Com esse motor o carro ficou bem mais lento, consome mais combustível e perdeu a refinação mecânica que tinha.

Na prática, o carro perdeu muito. Trocou o motor turbo por um aspirado com 20 cv de potência e absurdos 8,7 mkgf de torque a menos: agora são 120 cv e 16,8 mkgf a 4.000 rpm, contra 140 cv e 25,5 mkgf a 1.500 rpm. E mais: abandonou a excelente transmissão DSG, automatizada de dupla embreagem e sete marchas, pela superada automática de seis marchas Tiptronic, a mesma usada no velho Golf de 2007.

Na versão manual, também perdeu, no caso uma marcha: passou de seis velocidades para cinco. E não é só isso: o sistema Start/Stop foi abduzido da versão de entrada; a suspensão traseira independente multilink foi trocada por um eixo de torção, mais barato e que prejudica a estabilidade antes quase impecável do carro. Um erro estratégico, pois o Ford Focus, seu concorrente direto, tem a suspensão traseira multilink.

MAIS LENTO

Para quem gosta de acelerar, outra decepção. O Golf 1.4 TSI de 140 cv acelerava de zero a 100 km/h em 8,4 segundos e atingia 212 km/h, e agora o 1.6 MSI brasileirinho acelera de zero a 100 km/h em 11,6 segundos (etanol) ou 12,3s (gasolina) e chega aos 184/179 km/h. São espantosos mais três segundos extras no zero a 100 km/h, o que significa acelerações e retomadas prejudicadas. O consumo também piorou: o 1.4 TSI de 140 cv faz 11,5 km/l na cidade e 13,4 km/l na estada, enquanto o 1.6 MSI marca ruins 8,8 km/l e 12,5 km/l, com gasolina, segundo o Inmetro.

O conselho é simples: se você sonhava em ter na garagem um Golf nacional, comece a tentar encontrar nas concessionárias alguma unidade esquecida do importado Comfortline 1.4 TSI mexicano.

A versão Highline nacional ficou mais cara: R$ 91.290 com câmbio manual e R$ 96.690 com o automático; antes era R$ 85.790 e R$ 92.290. A Volkswagen pode até tentar justificar pelas rodas maiores e pelo “pacote” Elegance de série (antes o Highline custava R$ 91.786 (manual) e R$ 98.286 (automático). Houve ganho de 10 cv pelo uso do etanol, mas perdeu a transmissão automática e suspensão traseira; o zero a 100 km/h piorou de 8,4s para 8,6s, por causa do câmbio. Nessa versão o câmbio manual manteve as seis marchas.

MAIS CARO

O Golf GTI se manteve próximo do importado, mas ganhou o sistema de áudio Fender e ficou R$ 2.700 mais caro. Mas podia ter ficado mais barato, claro, por ter se livrado do Imposto de Importação, como dissemos no início.

Enfim, a estratégia da Volkswagen parece clara: manteve ou deu uma leve melhorada no que se vê, como rodas e acabamento, e piorou o que não se vê, como motor, câmbio ou suspensão.  Aposta num consumidor desinformado e desinteressado; quem realmente entende um pouco de automóvel, vai torcer o nariz. Isso sem contar que o Golf europeu vai ser atualizado em breve (leia aqui no site), mudanças que não estão presentes no nacionalizado.


Compartilhe!
简体中文 简体中文 English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano 日本語 日本語 Português Português Español Español