Classic CarsSlide

A Reliant e a saga dos carros de três rodas

Compartilhe!

Desconhecida no Brasil mas famosa por suas inovações, a Reliant Motor Company foi uma fabricante britânica de automóveis com sede em Tamworth, Inglaterra. A empresa foi fundada em 1935 por T. L. Williams e E. S. Thompson, ex-funcionários da Raleigh Bicycle Company. A marca fez muito sucesso na década de 1960, fabricando automóveis com apenas três rodas, os Reliant Regal e Reliant Robin.

por Marcos Cesar Silva

Williams e Thompson deixaram a empresa de bicicleta para construir seu próprio veículo, curiosamente de três rodas. Williams completou e registrou o veículo em 1º de janeiro de 1935. Na verdade era a mistura de um carro com uma moto. Este veículo, chamado de “The Reliant” (“O Confiante”), era uma van de 3 rodas e 7 CWT, movida por um motor JAP monocilíndrico de 600 cm3, que evoluiu para um modelo de 10 CWT (antiga medida de massa também chamada de quintal, usada nos Estados Unidos e Reino Unido onde cada CWT equivale a 45 kg) com motor JAP de dois cilindros em 1936. Foi durante uma visita a um Salão de veículos comerciais em 1937 que a Reliant conseguiu o fornecimento do motor do Austin 7 para seus veículos, que usou de 1938 a 1939, quando a Austin cessou a fabricação dos motores e a Reliant passou a fabricar seu próprio motor, de válvula lateral e 747 cm3, que foi baseado no motor Austin.

Uma das primeiras picapes Reliant de 1935

Com o início da Segunda Guerra Mundial, a Reliant continuou a produzir veículos até o início de 1940, quando sua atenção se voltou para a usinagem de peças para os diversos ministérios do governo envolvidos com a guerra. Após o fim do conflito, a Reliant começou a fabricar veículos novamente em 1946 e introduziu um outro veículo comercial, o Reliant Regent 10 CWT em 1950. Em 1951, Williams decidiu introduzir um veículo de passageiros para acomodar quatro pessoas, e assim em 1952 o Regal Mk 1 de três rodas foi exibido. 

Regent 1954

O Mk 1 tinha carroceria de alumínio fixada em uma estrutura de aço e um teto conversível tipo “carrinho de bebê”. Nos anos seguintes, o Reliant Regal assumiu muitas formas com o Mk 2 em 1955, que começou a usar painéis de fibra de vidro. Em 1956, o Mk 3 foi o primeiro Reliant totalmente em fibra de vidro. O Regal foi continuamente aprimorado com o Mk 4 em 1958, o Mk 5 em 1959 e o Mk 6 em 1960 (o Mk 6 é o último modelo com motor de válvula lateral da Reliant).

Carros convencionais, com quatro rodas, também fizeram parte do catálogo da empresa, como o Reliant Scimitar GTE e o Reliant Kitten. Além disso, a montadora ajudou a implantar indústrias automotivas na Turquia e em Israel. Ao mesmo tempo em que produzia os Regal com válvula lateral, a Reliant criou uma nova van Reliant de quatro rodas, a Regent Four, para o mercado de Israel, seguida pelo Carmel, carro de passageiros também de quatro rodas. Nessa operação, a Reliant inicialmente produziu os veículos como kits, que eram enviados para a Autocars em Israel e montados com algumas peças fabricadas por lá. O envolvimento com a Autocars também levou à construção de um carro esportivo chamado Sabra em 1961, de onde uma versão chamada Sabre foi produzida para o mercado europeu.

Os modelos Anadol turcos da Otosan.

Outra ligação da Reliant foi com a Otosan Otomobil Sanayii, da Turquia, resultando no Otosan Anadol de 1966, o primeiro carro produzido em massa na Turquia. Desenvolvido pela Reliant, com desenho da Ogle Design, o Anadol de duas portas com carroceria em fibra de vidro entrou em produção em 1966, seguido por uma versão de quatro portas quatro anos depois. O quatro portas durou até 1981, altura em que já tinha vendido mais de 35.000 unidades.

O esportivo Sabre 4.

Em 1962 foi dado um grande passo com o Regal 3/25. Em vez de uma estrutura interna de madeira, ele tinha a carroceria em fibra de vidro reforçada; a fibra era moldado em duas unidades principais (externa e interna) e, depois de coladas, eram fixadas em um chassi de aço. O veículo também era movido pelo novo motor OHV de 600 cm3 da Reliant, que foi o primeiro motor com bloco e cabeçote feitos de liga leve de produção em linha da Grã-Bretanha.

Regal 3/25 1962

A Reliant exportava o Regal como picape para mercados estrangeiros e seu sucesso foi tal que, em 1967, a Reliant criou uma nova picape, a TW9. Na verdade, a TW9 servia de base para qualquer tipo de veículo, seja picape ou furgão. O carrinho também encontrou bom mercado no Reino Unido com capacidade de 16 CWT. Também foi feito sob licença da BTB Engineering e vendido como The Reliant Ant. A Reliant também introduziu um modelo econômico de quatro rodas com o Reliant Rebel em 1964, que era movido por um motor de 600 cm3.

Picape TW9, a “Ant”.

Em 1969 surgiu o motor de 700 cm3 e tanto o Regal quanto o Rebel foram equipados com as novas unidades. A produção da Reliant foi tal que no mesmo ano foi entregue o Regal 3/25 de número 500.000. Em 1969, a Reliant assumiu a Bond Cars e contratou a Ogle Design para produzir um veículo esportivo de três rodas para o público mais jovem. Usando o nome Bond, isso resultou no Bond Bug, que foi vendido de 1970 a 1974. Os primeiros Bug usavam o motor de 700 cm3, embora os posteriores usassem o motor de 750 cm3 a partir de 1973.

O Bond Bug, lançado em 1969.

Juntamente com os modelos de três rodas, a Reliant introduziu um carro esportivo chamado Scimitar GT em 1964, que se tornou um sucesso instantâneo. Foi então substituído pelo Reliant Scimitar GTE em 1968. Em 1973, a Reliant lançou o veículo de três rodas britânico mais famoso de todos os tempos, o Reliant Robin. Movido pelo motor de 750 cm3, apresentava um estilo completamente diferente e estava disponível como sedã ou wagon. Esses primeiros Robin foram produzidos até 1975, quando o modelo recebeu pequenas alterações e um motor maior, de 850 cm3 com carburador SU.

Robin 1976

Logo depois do Robin, em 1975 veio um novo veículo econômico de quatro rodas chamado Kitten, que compartilhava inúmeras peças com o Robin, tornando-se muito mais barato de construir. O Kitten estava disponível nas versões sedã, van e wagon, e foi produzido até 1982. A Reliant também introduziu o que era uma picape Kitten, chamada Reliant Fox, em 1983. As vendas do Fox, porém, nunca decolaram.

Kitten, para agradar o público jovem.

No final da década de 1970, as vendas do Scimitar GTE estavam desacelerando e enquanto tentavam resolver isso com o conversível Scimitar GTC em 1980, a Reliant começou a construir um novo carro pequeno, o Scimitar SS1 , que foi lançado em 1984. Depois, com alguns facelifts, tornou-se o SST e o Scimitar Saber, antes do fim da produção em 1995

Em 1981, a Reliant introduziu o Rialto, um pequeno hatch de três rodas e frente em cunha que, embora ainda usasse o motor de 850 cm3, agora apresentava um chassi melhor projetado e construído. Foi substituído pelo Rialto 2, equipado com um motor HT-E para melhorar a economia geral, embora logo esse motor tenha sido abandonado, voltando para a unidade padrão de 850 cm3 em 1986. Tão boa foi a fama do Reliant Robin anterior, que o nome foi reintroduzido em 1989 com o Reliant Robin Mk 2.

Rialto 2

Com a chegada da década de 1990, a Reliant também produziu o táxi Metrocab , embora isso tenha durado muito pouco. A década de 1990 foi uma época muito turbulenta para a Reliant. A empresa foi contratada pela Beans Engineering, mas a Beans fechou quatro anos depois, em novembro de 1994. A Reliant foi então adquirida pelo Grupo Avonex em janeiro de 1995, que também teve problemas financeiros e sucumbiu em dezembro de 1995.

Com isso, a Reliant foi então comprada em abril de 1996 por “um consórcio de empresários” liderado por Jonathan Heynes. A partir daí, os negócios da Reliant voltaram ao normal e, no final de agosto de 1996, a produção do Reliant Robin foi retomada. No primeiro ano completo, 720 carros foram construídos, com a Reliant também expandindo suas atividades para veículos comerciais leves. Em 1999, a Reliant também passou a importar e distribuir vários novos modelos que incluíam o francês Ligier Microcar e o veículo comercial Piaggio Ape, da Itália.

A produção da Reliant cessou em Tamworth no final de 1998 e em janeiro de 1999 a empresa mudou-se para novas instalações e para uma nova fábrica construída especificamente, em Burntwood. No final de fevereiro, a Reliant apresentou um novo Reliant Robin Mk 3 Hatchback para a virada do milênio, com desenho completamente novo, que foi a primeira grande mudança feita no Reliant Robin em 10 anos. Após um anúncio em setembro de 2000, a Reliant parou de fabricar veículos de três rodas em fevereiro de 2001, embora os planos originais fossem interromper a produção dois meses antes.

O Mk3 Reliant Robin acrescentou essa frente moderna (e faróis do Corsa) a um desenho já antigo em 1999. A produção terminou em 2002.

Para marcar 65 anos (embora na verdade já fossem 66 anos quando o último Reliant foi feito) da produção de veículos de três rodas, a Reliant construiu 65 Robin de edição especial (os “Robin 65”) que foram numerados individualmente com uma plaqueta no painel. O último Reliant Robin, dourado, foi recebido pelo seu feliz proprietário em 14 de fevereiro de 2001.

Scimitar SS1

Em abril de 2001, a Reliant Cars mudou outras vez suas instalações, agora para Cannock, e no mesmo mês a B&N Plastics anunciou que continuaria a fabricar o Reliant Robin (agora batizado de Robin BN-1) sob licença da Reliant, e a produção começou oficialmente em 30 de abril de 2001, com os veículos sendo lançados em julho de 2001 Infelizmente, devido a vários problemas financeiros incontornáveis, a produção foi suspensa no final de 2002 e nunca mais nenhum outro veículo Reliant foi fabricado.

A picape Fox.

As antigas instalações da Reliant Motors, em Tamworth, foram transformadas em um conjunto habitacional chamado Scimitar Park, em homenagem ao Reliant Scimitar que a empresa produziu. Como última lembrança, várias ruas da propriedade também receberam nomes de modelos da Reliant.

Robin 65, a série de despedida da marca.

Para histórias de cada modelo, clique aqui.


Compartilhe!
1721101076